Novas regras para consignado já estão em vigor, inclusive para quem ganha Auxílio Brasil; entenda

Uma lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União (DOU) estabelece novas regras para o empréstimo consignado, inclusive para beneficiários de programas de transferência de renda, como o Auxílio Brasil. Além disso, uma medida provisória (MP) publicada também nesta quinta muda as regras do empréstimo para servidores públicos federais.

Auxílio Brasil: Juro do consignado no mercado é quase três vezes o cobrado de aposentados do INSS

Bondade: Empréstimo consignado multiplica efeito eleitoral do Auxílio Brasil, dando até R$ 2.600 a famílias

A nova lei teve como origem uma MP editada por Bolsonaro em março, que foi aprovada pelo Congresso em julho. O texto define que beneficiários de programas federais de transferência de renda poderão autorizar o desconto do seu benefício em até 40% para amortizar o pagamento de empréstimos e financiamentos.

A forma como esses empréstimos ocorrerá ainda terá que ser regulamentada. Como o GLOBO mostrou, o governo deve publicar ainda nesta semana um decreto estabelecendo as regras.

A regulamentação do empréstimo consignado não deve estabelecer um limite para os juros que poderão ser cobrados pelos bancos, diferentemente do que ocorre com empréstimos a outros públicos, como aposentados do INSS.

Vai à sanção: Senado aprova MP que altera o vale-alimentação, mas Flávio indica que Bolsonaro pode vetar saque do benefício

Entenda: Saiba o que muda com a MP que altera o vale-alimentação e regulamenta o home office

Pessoas que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) já podiam destinar 40% dos recursos para empréstimos. Agora, a lei aumenta essa margem para 45%, sendo 5% destinados exclusivamente para a amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito consignado e outros 5% para despesas contraídas por meio de cartão consignado de benefício.

Ao sancionar a lei, Bolsonaro vetou alguns pontos que haviam sido incluídos pelo Congresso. Um deles foi o aumento de 35% para 40% da margem do salário de servidores públicos que poderia ser destinada ao pagamento dos empréstimos. O governo alegou que havia "imprecisões" no trecho. Entretanto, o presidente editou uma nova MP nesta quinta, reestabelecendo o aumento da margem, mas detalhando mais as regras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos