Líder opositor na Tanzânia acusa a polícia de matar dez pessoas na véspera das eleições

Fran BLANDY
·2 minuto de leitura
Forças de segurança na Tanzânia prendem duas pessoas em Stone Town, Zanzíbar
Forças de segurança na Tanzânia prendem duas pessoas em Stone Town, Zanzíbar

O líder da oposição no arquipélago de Zanzibar, na Tanzânia, acusou nesta terça-feira (27) a polícia de ter matado dez pessoas a tiros, em distúrbios às vésperas das eleições gerais da Tanzânia.

As forças de segurança e os membros da comissão eleitoral começaram a votar antecipadamente nesta terça, um dia antes das eleições para eleger presidente e deputados.

Além disso, os eleitores de Zanzibar, que têm seu próprio governo e Parlamento, elegem também o presidente e deputados do arquipélago semiautônomo.

A oposição de Zanzibar denuncia que esse voto antecipado é uma estratégia para realizar uma fraude eleitoral.

Os confrontos na ilha de Pemba, reduto da oposição, começaram na noite de ontem quando o Exército distribuiu cédulas de voto, que incluem o conjunto dos candidatos. Segundo os opositores, elas já estavam marcadas.

O líder opositor, Seif Sharif Hamad, que se apresenta pela sexta vez como candidato presidencial em Zanzíbar, afirmou que nove pessoas morreram por disparos da polícia em Pemba, e outra na ilha de Unguja nesta terça-feira, enquanto 50 pessoas ficaram feridas.

A AFP constatou que a polícia usou gás lacrimogêneo e balas durante as manifestações.

"Sabemos que a polícia lançou gás lacrimogêneo, mas também disparou munição real", explicou Sharif Hamad, do partido ACT-Wazalendo (Aliança pela Mudança e Transparência - Patriotas).

O candidato foi detido por algumas horas em frente a um centro de votação em Garagara, onde havia anunciado seu desejo de votar nesta mesma terça-feira, apesar de os votos estarem reservados às forças de segurança.

Em Dar es Salaam, o chefe da Polícia da Tanzânia, Simon Sirro, anunciou que 42 pessoas foram detidas em Pemba, mas que não há registro de "nenhum morto". 

O familiar de uma mulher morta afirmou, sem querer revelar sua identidade, que "homens armados apontaram e dispararam" em sua direção, quando estavam sentados à noite na porta de uma loja.

Segundo essa testemunha, três pessoas, entre elas sua parente, morreram, e 18 ficaram feridas.

Questionado pela AFP, o chefe da Polícia de Zanzíbar, Hassan Haji, recusou-se a comentar essas informações.

- Tensões políticas -

Em sua conta no Twitter, o embaixador americano, Donald Wright, disse que está "alarmado com as informações procedentes de Zanzibar e outras partes sobre violência, mortes e prisões".

O Exército e a Polícia foram enviados em massa para as duas ilhas do arquipélago, Bardanza e Pemba.

As tensões políticas, que frequentemente geram violência, são em geral mais intensas em Bardanza do que na parte continental Tanzânia, país considerado um refúgio de estabilidade no tumultuado leste da África.

A Tanzânia e as instituições de Bardanza são lideradas desde então por Chama Cha Mapinduzi (CCM), partido único até 1992.

Em 2016, todas as eleições em Bardanza, entre elas a presidencial local que o opositor Seif Sharif Hamad declarou ter ganhado, foram anuladas por "fraude" pela comissão eleitoral. Hamad se recusou a participar das novas eleições.

fb/ayv/roc/erl-mar/zm/aa/tt