Biden edita novo decreto sobre aborto, diz que republicanos não têm noção do poder das mulheres

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente dos EUA, Joe Biden
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Nandita Bose e Jeff Mason

WASHINGTON (Reuters) - O presidente Joe Biden disse nesta quarta-feira que a Suprema Corte e os republicanos ignoram o poder das mulheres norte-americanas ao assinar um segundo decreto destinado a proteger o direito ao aborto.

O decreto pede que o Departamento de Saúde federal considere permitir o uso de verbas do Medicaid para financiar viagens de pacientes para Estados onde o aborto é permitido. Como o primeiro editado em julho, aborda a recente decisão da Suprema Corte norte-americana de encerrar o direito nacional ao acesso ao aborto.

A medida deve ter um impacto limitado, já que republicanos em Estados do país estão pressionando uma onda de leis para restringir o serviço, o acesso a medicamentos e as verbas para serviços relacionados.

O decreto vem um dia após eleitores do Kansas rejeitarem uma iniciativa que removeria as proteções ao aborto da Constituição do Estado. O voto foi uma vitória retumbante para o movimento de direitos ao aborto no primeiro teste estadual desde a decisão da Suprema Corte.

"Eu não acho que a corte tenha alguma noção sobre esse assunto ou o Partido Republicano para esse assunto... como as mulheres vão responder. Eles não têm a menor idéia sobre o poder das mulheres americanas", disse Biden. "Ontem à noite no Kansas eles descobriram."

Ele chamou o resultado do Kansas de "vitória decisiva" e disse que os eleitores do Estado enviaram um "sinal poderoso" que deixa claro que os políticos não devem interferir nos direitos fundamentais das mulheres.

"Esta luta não acabou e vimos isso ontem à noite no Kansas", disse Biden. A Suprema Corte “praticamente desafiou as mulheres neste país a irem às urnas e restaurar o direito de escolha”, que tinha acabado de retirar, disse Biden.

No mês passado, Biden disse que a Suprema Corte, que tem em sua composição 6 juízes conservadores e 3 progressistas, estava "fora de controle'', após a decisão em junho para reverter a decisão Roe vs. Wade, encerrando meio século de proteção aos direitos reprodutivos das mulheres norte-americanas. Seu primeiro decreto, no início de julho, orienta o Departamento de Saúde do governo federal a expandir o acesso a medicamentos abortivos e a garantir que mulheres que precisem viajar para abortos sejam protegidas.

A última medida se apoia nas anteriores. Mas, como a primeira delas, continua vaga sobre como esses objetivos poderiam ser alcançados. O decreto pede que o Departamento de Saúde e Serviços Humanos avalie a utilização de verbas, incluindo do Medicaid, programa de seguro financiado por verbas estaduais e federais que supervisiona, para apoiar mulheres de baixa renda em viagens para fora de seus Estados para serviços relacionados ao aborto, afirmou uma fonte sênior do governo.

O decreto pede que o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Xavier Becerra, considere convidar Estados a pedirem isenções ao tratarem pacientes que cruzarem as divisas estaduais para obter acesso a serviços de saúde reprodutiva, afirmou a autoridade, sem oferecer detalhes adicionais.

(Reportagem de Nandita Bose e Jeff Mason em Washington)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos