Novo governo da Noruega tem sobreviventes do massacre de Utøya e maioria de mulheres

·1 minuto de leitura
Novo governo da Noruega, com o premiê Jonas Gahr Store (10º à esq.) e ministros de seu gabinete, em frente ao Palácio Real, em Oslo, após a posse, em 14 nov. de 2021 (AFP/Ole Berg-Rusten)

O novo primeiro-ministro norueguês, o trabalhista Jonas Gahr Støre, apresentou sua nova equipe de governo nesta quinta-feira (14), na qual há uma maioria de mulheres e dois sobreviventes do massacre cometido em Utøya, em 2011.

Dos 19 ministérios, as mulheres ocuparão dez, incluindo o das Relações Exteriores.

Não é a primeira vez que 53% dos ministérios vão para mulheres no país. Em 2005 e em 2013, a situação foi a mesma, durante um curto período de tempo, quando o hoje chefe da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, era primeiro-ministro.

O novo governo reúne os trabalhistas e o partido de Centro.

A nova coalizão inicia sua jornada em um país em choque, após o ataque cometido na quarta-feira (13) por um homem armado com arco e flechas, em Kongsberg (sudeste). Cinco pessoas foram mortas.

Segundo a polícia, o agressor era um dinamarquês de 37 anos convertido ao islamismo e que já era suspeito de ter-se radicalizado.

Outra peculiaridade é que o novo governo terá dois sobreviventes do massacre na ilha de Utøya. Na tragédia, o extremista de direita Anders Behring Breivik matou 69 pessoas em 2011, durante um encontro da juventude trabalhista.

No total, os episódios de 2011 deixaram 77 mortos no país, já que oito pessoas morreram em outro ataque de Breivik em Oslo. Neste, o alvo era a sede do governo.

phy/map/lch/bl/mb/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos