Novo ministério racha partido governista e isola presidente Castillo no Peru

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O secretário-geral do partido Perú Libre, Vladimir Cerrón, anunciou nesta quinta-feira (14) que a legenda não dará o voto de confiança para o novo gabinete recém-nomeado pelo presidente Pedro Castillo. Por meio de tuítes e declarações, os dois políticos expuseram o racha formado no partido que até aqui era a base de apoio do novo mandatário.

No último dia 6, o presidente anunciou a troca de seu primeiro-ministro e de outros seis auxiliares, medida vista como uma forma de tentar melhorar a governabilidade, após pouco mais de dois meses da posse. O ex-premiê Guido Bellido Ugarte era um ponto de tensão, por ser alvo de críticas no Congresso desde sua nomeação.

Em comunicado nesta quinta, Cerrón disse que o governo estaria, com a nova configuração ministerial, fazendo uma "virada à centro-direita" e que o partido não apoiará esse movimento. O dirigente ainda afirmou que não aceita no gabinete a presença de "caviares" —termo com que se refere a políticos de perfil de centro-esquerda, como o titular da Economia, Pedro Francke, e a atual primeira-ministra, Mirtha Vázquez.

Político radical de esquerda e chavista, o líder do Perú Libre indicou Castillo para concorrer à Presidência peruana em seu lugar em abril, uma vez que sua situação jurídica —ele responde a processos por corrupção— não permitia que ele disputasse.

"As mudanças de que o país precisa se resolvem trabalhando, não por meio de tuítes. É preciso trabalhar ao lado do povo", respondeu o presidente, em um evento na província de San Martín, no qual apelou ainda para o apoio popular. "Eu respondo ao povo, aos ronderos [grupos de defesa comunitária do interior] e aos professores, que me elegeram. Se detectarem que estamos roubando um centavo do país, que saiam às ruas e venham conversar, porque estamos aqui por causa da vontade popular."

Castillo ganhou as eleições num segundo turno apertado contra a candidata de direita Keiko Fujimori.

Desde sua posse, em julho, ele vem tentando alcançar um difícil equilíbrio entre a necessidade de se mostrar leal do Perú Libre e, ao mesmo tempo, mais moderado para ter apoio no Congresso e trânsito com o setor produtivo e outras camadas da sociedade —ele é o líder com menor aprovação popular para o início da gestão no país nos últimos 20 anos.

O primeiro gabinete escolhido pelo presidente, com forte presença de nomes de confiança de Cerrón —notadamente o primeiro-ministro, Bellido—, foi aprovado no fim de agosto depois de uma maratona de duas sessões no Congresso. Na semana passada, porém, foi dissolvido sob a ameaça dos parlamentares de realizar impedimentos dos ministros.

A nova equipe, escolhida no mesmo dia e com sete mudanças, não agradou à ala mais radical do Perú Libre, pois trouxe nomes mais moderados, depois de indicações de partidos de centro e de centro-esquerda. A nova primeira-ministra, Mirtha Vázquez, por exemplo, pertence ao Frente Ampla, legenda de esquerda moderada.

Na própria noite do dia 6, a bancada mais à esquerda do partido do presidente havia informado que não daria o voto de confiança, necessário para que o ministério siga governando, ao gabinete recém-nomeado. Na ocasião, Waldemar Cerrón, irmão de Vladimir e porta-voz do partido, afirmou que Castillo era um traidor.

Segundo a lei peruana, o voto de confiança, uma aprovação por parte do Congresso, deve ocorrer 30 dias depois da nomeação do conselho de ministros, numa sessão em que o primeiro-ministro apresenta as principais linhas de sua gestão.

No texto divulgado nesta quinta, Cerrón afirma que haverá "expulsões" no partido nos próximos dias e fala em uma reorganização da bancada de parlamentares e da mudança na liderança do bloco. Ele menciona ainda medidas disciplinares a serem aplicadas a duas ministras indicadas por Castillo, Dina Boluarte e Betssy Chávez, que integram a legenda.

Diante da retirada do Perú Libre, outros partidos se pronunciaram a favor do voto de confiança ao novo gabinete de Castillo.

Siglas de esquerda e de centro que tinham se posicionado contra a equipe liderada por Bellido, Força Popular, Avança País e Renovação Popular agora afirmam que apoiarão o novo ministério.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos