Novo ministro da Cidadania diz que está sendo afetado por briga entre Maia e ACM Neto

FÁBIO ZANINI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nomeado novo ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos-BA), afirmou à reportagem que precisava "cumprir a missão do partido" de aceitar chefiar a pasta e que está sendo afetado por uma briga entre o presidente do DEM, ACM Neto, de quem é aliado, e o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ). Neto trabalhou para evitar a indicação de Roma com a intenção de se manter distante do governo e por isso fez críticas públicas à nomeação . "Ele [ACM Neto] está aborrecido com minha decisão. Estou sendo afetado por uma briga entre Neto e Rodrigo. Eu precisava cumprir a missão do meu partido", afirmou Roma. O deputado foi indicado pelo presidente do Republicanos, Marcos Pereira. O novo ministro disse ainda que tem como missão atender aqueles que precisam. "A missão é muito grande. É uma oportunidade de ajudar muita gente. A missão desse ministério é não deixar ninguém para trás e ajudar aqueles que precisam. E é a isso que vou me dedicar", disse à reportagem. Nesta sexta (12), após a nomeação de Roma no Diário Oficial, Maia publicou mensagem nas redes sociais na qual disse que Neto "havia mostrado seu caráter", em uma indireta de que o correligionários estaria aliado ao governo Bolsoanro. Em outra frente, em nota, o presidente do DEM considerou "lamentável" o fato de Roma ter aceitado o convite. Neto e Maia estão em crise desde a eleição para a Câmara dos Deputados, quando o DEM deixou de apoiar Baleia Rossi (MDB-SP), candidato apoiado pelo ex-presidente da Casa e adversário de Arthur Lira (PP-AL), aliado do Palácio do Planalto. O deputado do DEM considerou a atitude do ex-prefeito de Salvador uma traição e afirmou que sairá do partido.