Novo ministro da Defesa diz que golpe de 1964 serviu para "pacificar o país"

Julia Lindner
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O novo ministro da Defesa, general Walter Braga Neto, afirmou, em nota, que o período da ditadura militar serviu para "pacificar o país". Braga Netto disse que, na época, as Forças Armadas enfrentaram "desgastes para reorganizar o Brasil e garantir as liberdades democráticas que hoje desfrutamos". O texto foi divulgado em alusão aos 57 anos do golpe de 31 de março de 1964.

"As Forças Armadas acabaram assumindo a responsabilidade de pacificar o País, enfrentando os desgastes para reorganizá-lo e garantir as liberdades democráticas que hoje desfrutamos", diz Braga Netto no texto.

"O movimento de 1964 é parte da trajetória histórica do Brasil. Assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março", afirmou em outro trecho.

O ministro relembrou a Lei da Anistia, aprovada pelo Congresso Nacional, dizendo que ela "consolidou um amplo pacto de pacificação a partir das convergências próprias da democracia".

"Foi uma transição sólida, enriquecida com a maturidade do aprendizado coletivo. O País multiplicou suas capacidades e mudou de estatura", escreveu.

Braga Netto afirmou, ainda, que "o cenário geopolítico atual apresenta novos desafios, como questões ambientais, ameaças cibernéticas, segurança alimentar e pandemias".

"As Forças Armadas estão presentes, na linha de frente, protegendo a população. A Marinha, o Exército e a Força Aérea acompanham as mudanças, conscientes de sua missão constitucional de defender a Pátria, garantir os Poderes constitucionais, e seguros de que a harmonia e o equilíbrio entre esses Poderes preservarão a paz e a estabilidade em nosso País."