Novo ministro do Turismo faz apelo contra lockdowns

Daniel Gullino
·2 minuto de leitura
Pablo Jacob/Agência O Globo

BRASÍLIA — Ao tomar posse nesta quinta-feira como novo ministro do Turismo, Gilson Machado Neto afirmou que o setor não aguenta novas medidas de fechamento da economia, apesar do aumento na propagação do novo coronavírus. Citando o caso de Búzios, que teve um lockdown determinado pela Justiça, Gilson fez um "apelo" para que governantes não tomem a mesma decisão.

— Presidente, eu não posso (deixar) de aproveitar esse momento para fazer um apelo. Tivemos um exemplo hoje de Búzios, que foi fechada sem aviso. Se eu não me engano, por uma decisão monocrática, de primeira instância. Não foi nem do prefeito nem do governo. O trade (turístico) não aguenta uma decretação de segundo lockdown — disse o novo ministro, durante cerimônia no Palácio do Planalto.

O lockdown em Búzios foi determinado pelo Tribunal de Justiça do Rio na quarta-feira, devido a um aumento no número de casos de Covid-19. O juiz Raphael Baddini ressaltou que há um "risco muito elevado de colapso da rede de saúde e necessidade de isolamento social completo".

No evento desta quinta, o novo ministro relatou ter conversado com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, que teria se comprometido a não fazer um lockdown. Ele fez o meso pedido ao governador de Alagoas, Renan Filho, presente na cerimônia.

— Eu faço um apelo ao senhor governador (Renan Filho), não decrete lockdown. Eu fiz um apelo a um governador de Pernambuco, Paulo Câmara, antes de ontem. Ele gravou um vídeo comigo dizendo que não vai haver lockdown em Pernambuco. O nosso trade não aguenta mais. O empresário turístico, que gera emprego e renda, ele tem hoje tem mais medo de um decreto do que da própria doença.

Gilson Machado substitui Marcelo Álvaro Antônio, demitido na semana passada após desavença com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos. Gilson era presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur).