Novo presidente da Bolívia considera "patética" a situação do país

·2 minuto de leitura
Foto divulgada pela Agência Boliviana de Informação (ABI) mostra novo presidente da Bolívia Luis Arce discursando no Congresso em La Paz, na sua posse em 8 de novembro 2020.
Foto divulgada pela Agência Boliviana de Informação (ABI) mostra novo presidente da Bolívia Luis Arce discursando no Congresso em La Paz, na sua posse em 8 de novembro 2020.

A situação na Bolívia é "patética" e a economia "está seriamente prejudicada", afirmou nesta segunda-feira (9) o novo presidente, o esquerdista Luis Arce, que investiu em seu primeiro gabinete de ministros, a quem convidou para trabalhar com austeridade. 

"A cada hora que passa somos informados da situação patética em que vive nosso Estado plurinacional", disse o presidente, que tomou posse no domingo, após vencer as eleições de 18 de outubro com 55% dos votos. 

"A situação econômica está seriamente prejudicada", acrescentou o presidente, que então alertou seus novos colaboradores que "longas horas de trabalho os aguardam para poder retomar o ritmo de crescimento do desenvolvimento". 

"Este será um governo extremamente austero", acrescentou ele perante seus ministros. 

Durante sua posse no domingo, o presidente culpou o governo de transição de direita de Jeanine Áñez, que assumiu o cargo em novembro do ano passado, por cometer graves erros na gestão do país. 

Arce lembrou que o PIB da Bolívia caiu 11,1% no segundo trimestre de 2020 e que o déficit fiscal para este ano será de 12,1%, o pior das últimas décadas. 

O presidente observou que ficou sabendo da situação no país graças aos dados reunidos por uma comissão de transição do seu partido para nos últimos dias conversar com o governo que está de saída. 

Na nova equipe de 16 ministros de Arce, não há a presença de políticos ligados ao ex-presidente Evo Morales (2006-2019), que nesta segunda-feira entrou na Bolívia vindo da Argentina, onde estava refugiado desde o ano passado. 

O advogado Rogelio Mayta, defensor das vítimas do massacre na Bolívia em 2003, é o novo ministro das Relações Exteriores, e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Edmundo Novillo, ocupa o Ministério da Defesa. 

O ex-deputado Edgar Montaño, do Movimiento Al Socialismo (MAS), de Arce e Morales, foi nomeado para a pasta de Obras Públicas. 

Os demais 13 ministros também não vieram das estruturas de liderança do MAS.

jac/gma/bn