Novo presidente peruano empossa gabinete com viés conservador

·2 minuto de leitura
O novo gabinete de Merino é comandado por político conservador
O novo gabinete de Merino é comandado por político conservador

O novo presidente peruano, Manuel Merino, nomeou nesta quinta-feira (12) seu novo gabinete com 18 ministros, chefiados pelo conservador Antero Flores-Aráoz, três dias após assumir o poder.

A cerimônia foi realizada no pátio principal do palácio do governo, e não em uma sala, como medida de prevenção à covid-19.

José Arista assumiu o Ministério da Economia e Finanças e Abel Salinas, o da Saúde, pastas-chave desde que foi declarado estado de emergência no país devido à pandemia há oito meses.

"Juro pelos milhões de peruanos que sofrem com a pandemia", disse Salinas durante o juramento.

Arista, de 61 anos, foi Ministro da Agricultura no governo do presidente Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018) e Salinas já ocupava a Saúde naquele governo.

"Não vamos produzir nenhuma mudança traumática", prometeu Merino em discurso no qual assegurou que manterá "as boas decisões que foram tomadas no governo anterior" de Martín Vizcarra, destituído na segunda-feira.

Outro ex-ministro de Kuczynski ingressou no novo gabinete: Fernando D'Alessio, na Educação.

A nova chefe da diplomacia peruana é Franca Deza, que atuou como chefe de recursos humanos do Ministério das Relações Exteriores.

Os ministros prestaram juramento ajoelhando-se diante de um enorme crucifixo e duas velas, colocando as mãos sobre uma bíblia. A exceção foi a nova chanceler.

"Sim, eu prometo", disse Deza levantando-se, ao contrário do resto de seus colegas ajoelhados que responderam "sim, eu juro."

O gabinete inclui dois membros do partido Aprista do ex-presidente Alan García (1985-1990 e 2006-2011), como Salinas, que foi pré-candidato presidencial nas eleições internas do grupo.

Um ex-ministro demitido de Vizcarra foi novamente designado para a pasta do Interior: o general da polícia aposentado Gastón Rodríguez.

A cerimônia de posse ocorreu horas antes de novas marchas em rejeição a Merino convocadas em Lima.

"Pedimos calma e responsabilidade para que qualquer manifestação política se situe no âmbito da tranquilidade e da não violência", disse o presidente.

Após o juramento, os ministros e Merino posaram com máscaras brancas nos degraus do palácio para uma foto em grupo.

cm/ljc/fj/rsr/jc/mvv