Novo rei zulu é oficialmente reconhecido pelo governo da África do Sul

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, e o novo rei AmaZulu, Misuzulu kaZwelithini, participam da cerimônia final de sua coroação, em Durban

DURBAN (Reuters) - Misuzulu, que prometeu unir sua nação e proteger a tradição, foi oficialmente reconhecido como o Rei AmaZulu pelo governo sul-africano nesta sábado, na primeira coroação zulu desde 1971.

O reconhecimento oficial do presidente do país, Cyril Ramaphosa, põe fim a uma longa disputa legal que atolou a sucessão ao trono - uma batalha que se desenrolou na opinião pública e nos tribunais.

Misuzulu kaZwelithini, 48, foi coroado rei do maior grupo étnico da África do Sul em uma celebração habitual em agosto, mas exigiu o reconhecimento de Ramaphosa para ter acesso total aos recursos e apoio do governo.

O certificado de reconhecimento foi entregue oficialmente neste sábado na cidade costeira de Durban, onde dezenas de milhares de pessoas, a maioria zulus vestidos com seus trajes tradicionais e carregando escudos e porretes, reuniram-se para reconhecer Misuzulu como o legítimo herdeiro do falecido rei Goodwill Zwelithini kaBhekuzulu.

O pai de Misuzulu, o rei Zwelithini, faleceu em março de 2021 depois de reinar desde 1971.

"Você pegou a poderosa lança que caiu. Que sua mão firme guie e traga estabilidade ao reinado de AmaZulu", disse Ramaphosa, acrescentando que seu governo está comprometido em trabalhar com o novo rei para ajudar a transformar áreas rurais em locais de prosperidade.

Misuzulu foi escolhido como o herdeiro legítimo pela vontade de sua mãe, a falecida rainha Mantfombi Dlamini Zulu, que se tornou líder interina após a morte do marido, o rei Zwelithini. Ela morreu quase dois meses depois de Zwelithini.

"Eu me comprometo a desenvolver o país e a economia e promover a paz e a reconciliação primeiro entre os zulus e também entre os sul-africanos e africanos", disse o rei Misuzulu após prestar juramento.

O monarca zulu não tem poder político formal, mas é extremamente influente como guardião dos costumes e terras tradicionais do grupo étnico.

O rei controla vastas extensões de terra, estimadas em cerca de 3 milhões de hectares, em KwaZulu-Natal sob uma entidade chamada Ingonyama Trust.

(Por Nqobile Dludla)