Novos ataques da coalizão saudita contra rebeldes do Iêmen

·2 min de leitura
Iemenitas observam os danos provocados por bombardeio da coalizão liderada pela Arábia Saudita em 24 de dezembro de 2021 (AFP/MOHAMMED HUWAIS)

A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita afirmou neste domingo (26) que atacou posições dos rebeldes huthis na capital do Iêmen, Sanaa, um dia após o início de uma campanha militar em "larga escala" de Riad.

A coalizão, que apoia desde 2015 o governo iemenita em seu conflito contra os huthies, próximos ao Irã, afirmou que destruiu depósitos de armas em Sanaa, uma posição controlada pelos rebeldes, segundo a agência oficial Saudi Presse Agency (SPA).

"A operação em Sanaa foi uma resposta imediata contra a tentativa de transferir armas do campo de Al Tashrifat para Sanaa", afirmou a coalizão em um comunicado.

A coalizão prometeu divulgar as provas do envolvimento do movimento libanês pró-Irã Hezbollah no conflito no Iêmen.

"A coalizão apresentará evidências que mostram que o Hezbollah está usando o aeroporto (de Sanaa) para atacar o reino", segundo a SPA.

A Arábia Saudita acusa há muitos anos o Irã de fornecer armas aos huthis e o Hezbollah de treinar os insurgentes. Teerã admite o apoio político aos rebeldes, mas nega entregar armamento.

No Twitter, o embaixador da Arábia Saudita no Iêmen, Mohammed al-Jaber, comparou os huthis ao Hezbollah, ao afirmar que usam armas iranianas para atacar seu país.

Na quinta-feira, a Marinha dos Estados Unidos anunciou a apreensão de 1.400 fuzis AK-47 e munição em um barco pesqueiro que, segundo os militares americanos, saiu do Irã e estavam destinados aos rebeldes iemenitas.

- Intensificação do conflito -

O conflito se intensificou no Iêmen nos últimos dias. A Arábia Saudita anunciou no sábado o início de uma operação militar "em larga escala" no país, depois de um ataque reivindicado pelos huthis na Arábia Saudita que deixou dois mortos e sete feridos.

Este foi o primeiro ataque com vítimas fatais dos rebeldes huthis contra o reino saudita desde 2018, embora eles disparem mísseis e drones contra aeroportos e infraestruturas de petróleo sauditas com frequência.

Nos ataques de represália da coalizão, três pessoas morreram e seis ficaram feridas, de acordo com fontes médicas iemenitas.

Após a tomada da capital Sanaa em 2014, os huthis assumiram o controle de grande parte do norte do Iêmen, apesar da intervenção militar saudita.

As incursões da coalizão esta semana já haviam provocado o fechamento do aeroporto da capital, o que prejudicou o pouso de aviões das organizações humanitárias e da ONU.

Os ataques recentes dos huthis contra a Arábia Saudita foram condenados por vários países, incluindo Estados Unidos e França.

De acordo com a ONU, 377.000 pessoas morreram pelas consequências diretas e indiretas do conflito, como a falta de água potável, a fome e as doenças.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU anunciou na quarta-feira que foi "obrigado" a reduzir a ajuda ao Iêmen, pela falta de recursos suficientes, apesar do aumento da fome e dos riscos em uma das piores crises humanitárias do mundo.

ht-dm/vg/grp/an/mis/sag/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos