Novos chefes das polícias do Rio e secretário garantem integração nos trabalhos

Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O novo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Luis Cláudio Laviano; o secretário estadual de Segurança, general Richard Nunes; e o novo chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, falam à imprensaTomaz Silva/Agência Brasil

O secretário de segurança do Rio de Janeiro, general Richard Fernandez Nunes, fez hoje (7) uma rápida apresentação à imprensa dos recém-escolhidos para comandar as policias do estado: o delegado Rivaldo Barbosa que assume a Polícia Civil e o coronel Luis Cláudio Laviano, que vai comandar a Polícia Militar. As mudanças, anunciadas ontem (6), são desdobramentos da intervenção federal na segurança do estado.

Em uma breve fala, o secretário destacou o compromisso com a integração dos trabalhos. "São pessoas da minha inteira confiança, com quem eu já havia tido contato anterior. Foram escolhidos pela competência profissional e pela certeza de que vão liderar este esforço de transformação das instituições, tornando-as ainda mais capazes de atender aos anseios da sociedade. Com eles ao meu lado, a integração entre as policias será plena", disse o general Nunes, que assumiu a secretaria há pouco mais de uma semana nomeado pelo interventor general Walter Braga Neto.

Os dois novos chefes das polícias também fizeram breves pronunciamentos e reforçaram a importância do trabalho integrado.

Rivaldo Barbosa disse que o Brasil passa por um momento histórico que traz algumas expectativas. "Vou citar três delas. A primeira é a união efetiva dos esforços do governo federal, do governo estadual e do governo municipal. A segunda expectativa é a integração plena das polícias. Quem não estiver integrado não pertencerá à nossa equipe. E a terceira é o respeito aos direitos e garantias individuais de todos os cidadãos. O nosso foco é restabelecer a segurança e trazer tranquilidade à sociedade carioca".

Por sua vez, o coronel Laviano afirmou que os policiais irão às ruas trabalhar honestamente em favor da defesa da sociedade. "Nós, policiais e homens de bem, estamos unidos para preservar o maior bem do ser humano que é a vida. A vida do policial, a vida do cidadão, a vida do agressor", disse. O novo comandante da Polícia Militar concluiu seu discurso com um lema: "Fé, honra e glória aos homens de bem".

Centro integrado

A apresentação se deu no intervalo de reuniões marcadas para hoje no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), estrutura criada em 2013 pelo governo do Rio de Janeiro para fomentar a articulação de órgãos federais, estaduais e municipais. Após os pronunciamentos, os novos chefes e o secretário de estado se reuniram, a portas fechadas, para discutir o alinhamento de ações.

Antes, eles haviam participado da 9ª reunião do Comitê Especial de Segurança Integrada (Cesi), criado após os Jogos Olímpicos de 2016 e que mobiliza secretarias do governo estadual e da prefeitura, representantes do Ministério Público e as polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária, entre outros.

A coordenação das reuniões do Cesi cabe ao secretário de Segurança do Rio de Janeiro, de modo que o recém-nomeado general Richard Nunes desempenhou a função pela primeira vez. Ainda no CICC, em outra sala, comandantes de diversos batalhões da Polícia Militar se reuniam com o general Mauro Sinott Lopes, chefe do Gabinete de Intervenção Federal.