Nunca vi clima tão hostil, diz jornalista argentina insultada em ato antidemocrático em SP

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A jornalista do canal TodoNotícias, o mais importante da Argentina, Carolina Amoroso, foi insultada e cercada em São Paulo por um grupo de manifestantes bolsonaristas que lhe gritavam: "Fora, Argentina", "Fernández é um lixo" e "Não queremos argentinos aqui".

Carolina continuou fazendo seu relato cercada de manifestantes que a cobriam com a bandeira do Brasil e usavam quepes militares enquanto sofriam empurrões dos que tentavam impedir que ela fosse agredida.

O comando no canal, ao vivo desde Buenos Aires, pedia que ela se retirasse do local por sentir que, por detrás dela, parecia planejar-se um ataque maior.

"Acharam melhor que eu saísse daí, e com muita razão. Isso nos deixa muito mal, eu só estava fazendo meu trabalho e pedindo às pessoas isso. Mas não queriam me ouvir", disse.

Toda vez que a jornalista tentava falar com os manifestantes, começava-se um coro de "meios vendidos".

Ela, que recentemente esteve cobrindo a Guerra da Ucrânia e atravessou o perigoso estreito de Darién, com imigrantes venezuelanos e haitianos em uma região comandada por facções criminosas, disse que nunca havia atravessado um "clima tão hostil".

Por fim, um dos manifestantes que decidiu ajudar a equipe levou Carolina e seus colegas até a saída da manifestação. Um caso parecido havia ocorrido no primeiro turno, quando o jornalista Diego Iglesias, da IP TV, havia sido questionado por Jair Bolsonaro sobre de onde vinha. Ao escutar: "da Argentina", o presidente respondeu: "Volte para o seu país".