Nunes Marques, indicado ao STF por Bolsonaro, diz que debate sobre voto impresso é 'preocupação legítima do povo'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA - O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira que o debate sobre o voto impresso cabe ao Congresso Nacional e que ele, na condição de juiz, respeitará "a expressão da vontade popular", "seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição".

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao Supremo, Nunes Marques foi o único integrante da Corte que não assinou a nota conjunta em defesa da urna eletrônica publicada por ex-presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O ministro, contudo, diz que "não foi consultado previamente em nenhum momento a fim de que pudesse concordar, ou não, com o teor" da manifestação.

"O Ministro considera legítimo o posicionamento externado pelos demais Ministros que compõem ou compuseram o TSE, na medida em que, imbuídos de elevada preocupação para a construção da democracia em nosso país, têm buscado o aperfeiçoamento do sistema eleitoral", disse.

Nunes Marques afirmou ainda que "o debate acerca do voto impresso auditável se insere no contexto nacional como uma preocupação legítima do povo brasileiro e que Sua Excelência, na condição de Juiz, respeitará a expressão da vontade popular a ser externada pelo Congresso Nacional, foro adequado para tais debates, seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos