Nvidia busca aval da UE para compra da Arm; decisão deve sair em outubro

·1 minuto de leitura
Logotipo da Nvidia

Por Foo Yun Chee e Kate Holton

BRUXELAS/LONDRES (Reuters) - A Nvidia pediu nesta quarta-feira aval do órgão antitruste da União Europeia para compra da designer de chips britânica Arm por 54 bilhões de dólares, segundo documentos da Comissão Europeia.

A maior fabricante de chips gráficos e de inteligência artificial anunciou no ano passado um acordo que deixou a indústria de semicondutores preocupada se a Arm conseguiria continuar sendo uma personagem neutra no licenciamento de propriedade intelectual, que é chave a consumidores e rivais.

Consumidores preocupados incluíram a Qualcomm, a Samsung e Apple.

Clientes da Arm como Broadcom, MediaTek e Marvell são favoráveis ao acordo.

"Estamos trabalhando por meio do processo regulatório e ansiosos em discutir com a Comissão Europeia para endereçar qualquer preocupação que ela possa ter. Esta transação será benéfica para a Arm, para suas licenças, para a concorrência e para a indústria", afirmou a Nvidia em comunicado.

Ela havia dito antes que manteria a Arm como fornecedora neutra de tecnologia.

A agência de concorrência da UE pode liberar o acordo com ou sem concessões em outubro após revisão preliminar, ou abrir uma investigação de quatro meses, caso tenha preocupações sérias.

O órgão supervisor britânico alertou que o acordo pode prejudicar a concorrência e enfraquecer adversários, e pediu uma investigação mais longa.

A Arm, do grupo japonês SoftBank, é uma das principais empresas na indústria mundial de semicondutores, chave para tecnologias como inteligência artificial, computação quântica e redes de telecomunicações 5G. Seus designs alimentam quase todos os smartphones e milhões de outros dispositivos.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS AAP

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos