O abuso fora de casa: séries e filmes que abordam o assédio sexual ajudam vítimas a identificar a própria agressão sofrida

·3 min de leitura

A cena poderia acontecer em qualquer linha de ônibus de uma cidade brasileira, tal a frequência com que casos de importunação sexual ocorrem a mulheres em transportes públicos do país. Mas é, felizmente neste caso, ficção. Mais especificamente, a cena de um episódio da segunda temporada da série "Sex Education", da Netflix, em que a personagem Aimée percebe que um homem posicionado atrás dela no coletivo, não apenas a toca de forma indevida, como se masturba colado a seu corpo e ejacula em sua roupa. No episódio, a personagem detecta rapidamente o problema, fala alto - e é ignorada pelos outros passsageiros - e desce do ônibus. Demora, no entanto, a processar a agressão sofrida, que afeta sua rotina a partir dali.

O tema assédio sexual volta e meia é abordado pela ficção, na trama de filmes, novelas, séries. Além de ampliar o debate sobre temas caros à sociedade, tais episódios de violência sexual sofridas por personagens contribuem também para que mulheres percebam e entendam as próprias agressões de que são vítimas, já que nem sempre o entendimento do que aconteceu se dá de forma rápida, sobretudo quando a vítima é muito jovem. Para este público, "Sex Education" cai como uma luva, ao trazer de forma simples e objetiva, vários dos problemas e dúvidas da juventude em relação a questões sexuais, como doenças sexualmente transmissíveis, preferências sexuais, abortos, disfunção, entre outros temas.

Joana Lopes, psicóloga voluntária do Mapa do Acolhimento, um canal digital de apoio a mulheres vítimas de violência, enxerga o potencial educativo e esclarecedor de tais produções, mas alerta sobre o cuidado que elas devem ter ao abordar tais assuntos, para não distorcer ainda mais a compreensão dos problemas:

- A abordagem do tema da violência sexual pode ser positiva no sentido da conscientização das mulheres, porém deve ser feito com bastante cautela, para evitar possíveis gatilhos mentais. Os produtores devem ter muita sensibilidade, empatia e fazer pesquisas de campo antes de decidirem colocar ou não alguma cena mais "pesada", por assim dizer. Uma cena mal elaborada pode fazer, em uma pior hipótese, a vítima reviver o acontecido! - explica a especialista.

Em sua prática clínica, a psicóloga conta que já "esbarrou" com vários casos de violência sexual e ressalta que as vítimas ficam bastante fragilizadas após os episódios, necessitando de apoio especializado.

- Graças a leis como a Maria da Penha, todas as mulheres no Brasil têm direito a acessar a rede de serviços públicos disponíveis nas áreas de assistência social, saúde, jurídica e segurança pública - lembra.

A seguir, três produções que abordam o assédio em sua tramas:

Sex Education

Inspirada em uma situação real vivida pela autora Laurie Nunn, a série traz, em sua segunda temporada, um episódio em que a personagem Aimée (Aimee Lou Wood) é importunada sexualmente no ônibus por um homem, que inclusive ejacula em sua roupa. Apesar de se livrar rapidamente da situação, a jovem fica tão traumatizada que passa a ter medo de viajar sozinha em transporte público, muda a forma de se vestir e enfrenta problemas em seu próprio relacionamento amoroso, contando com apoio de amigas para superar a experiência.

Exame de Consciência

Também da Netflix, a minissérie documental de 2019 aborda um problema que há anos assombra a Igreja Católica: casos de abuso sexual contra crianças praticados por sacerdotes de templos, no caso da trama, da Espanha. Os três episódios trazem depoimentos de vítimas, membros da Igreja e especialistas e é dirigido por Albert Sol.

Athlete A: Abuso de Inocência

Casos de atletas que sofrem assédio por anos a fio de sua infância e adolescência em seus locais de treinamento são, infelizmente, uma realidade. O problema é tema do documentário de 2020, dirigido por Bonni Cohen e Jon Shenk, que relata o caso de ginastas que denunciaram à imprensa Larry Nassar, até então médico da seleção olímpica da equipe de ginástica dos EUA, por abuso sexual.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos