O adeus de afegãos que deixam o país pelo aeroporto de Cabul

·3 minuto de leitura
Pessoas caminhando em direção a aviões no aeroporto de Cabul
Pessoas caminhando em direção a aviões no aeroporto de Cabul

Assim que você põe o pé na pista do aeroporto internacional de Cabul, no Afeganistão, você é tomado pela intensidade, a urgência, a escuridão desta hora.

Em todas as direções, existem enormes aviões de transporte militar cinza dos Estados Unidos e de muitos outros países. Os helicópteros militares estão no céu.

Em direção a todos os aviões, há longas filas de afegãos. As filas parecem não ter fim. Eles foram informados que só podem trazer uma mala e as roupas que vestem, ao deixarem seu país - agora controlado pelo Talebã.

Mas não é apenas o país que eles estão deixando. Eles estão deixando para trás a vida que viveram e, para a geração de jovens educados, a vida que construíram, os sonhos que formaram ao longo de 20 anos.

Diz-se que há 14 mil pessoas dentro desta área, controlada pelos militares dos EUA, esperando para embarcar.

O jornalista freelance Bilal Sarwary estava entre os que conseguiram chegar ao local, tendo deixado para trás tudo o que havia trabalhado tanto para construir - levando apenas alguns pares de roupas e sua jovem família.

Sarwary, um ex-jornalista da BBC, planejava criar sua filha - chamada Sola, que significa "paz" - em seu país, o lugar que ele passou 20 anos cobrindo, começando como tradutor em 2001.

Em vez disso, ele espera que um dia ela entenda a decisão que ele tomou de partir.

"Hoje é o dia em que uma geração de afegãos enterrou seus sonhos, aspirações e nossas vidas", disse ele.

"Esta cidade para nós é nosso lar. Apesar de suas contradições, nós a chamamos de lar, fomos criados a partir daqui. Esperamos que o Talebã possa aprender com as lições do passado... e possamos provar que podemos nos afastar dos tanques e balas, em direção a uma estrada onde todos possam se ver."

No Twitter, ele escreveu: "Domingo, 22 de agosto de 2021: O dia em que deixo meu país, minha cidade, minha Cabul. Um massacre de meus sonhos e aspirações. Um dia trágico em minha vida."

Cerca de 17 mil pessoas deixaram o Afeganistão pelo aeroporto de Cabul na semana passada, de acordo com os EUA. Não se sabe quantos cidadãos afegãos receberam vistos para trabalhar com governos e organizações internacionais em meio ao medo de serem alvos do Talebã.

Muitos são profissionais e graduados, e Sarwary teme o que essa "fuga de cérebros" significará para o Afeganistão. O Afeganistão, disse ele, é "um país onde gente boa não cresce em árvores".

Do lado de fora dos portões do aeroporto, há outros 10.000 ou mais esperando para entrar na área de aviação - uma multidão de pessoas querendo partir de qualquer forma.

Quanto mais tempo leva, mais desesperada fica a multidão. Os repórteres presentes descreveram o sábado como um dos piores dias, com várias mulheres que perderam a vida enquanto as pessoas avançavam.

De acordo com a Otan, elas estão entre as pelo menos 20 pessoas que morreram dentro e nos arredores do aeroporto desde que o Talebã tomou a cidade.

O domingo foi descrito como mais calmo nos portões, embora testemunhas relatem que combatentes do Talebã disparam para o ar e usaram cassetetes para manter as pessoas em fila, de acordo com a agência de notícias Reuters.

Internacionalmente, continua a crescer a preocupação de que os países não consigam retirar nacionais e afegãos que trabalharam com eles antes do fim do mês, momento em que os EUA disseram que se retirariam de lá.

No sábado, o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, advertiu que era "matematicamente impossível" evacuar tantas pessoas nos próximos nove dias.

Bilal Sarwary disse que ir embora naquele momento não significava que estava pronto para desistir. "Nosso caso com o Afeganistão é um caso de amor fatal, não importa o que aconteça, nunca desistiremos disso", disse ele.

Com colaboração de Flora Drury, em Londres

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos