O adeus a Shinzo Abe

Milhares de pessoas reuniram-se esta terça-feira, nas ruas de Tóquio, para um último adeus ao antigo primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, assassinado na sexta-feira, durante um comício.

Após as exéquias, o cortejo fúnebre passou pelo principal bairro político de Tóquio, Nagata-cho, onde Abe passou mais de três décadas depois de ter sido eleito pela primeira vez para o parlamento em 1991. No total, Abe liderou o Executivo japonês por quase uma década.

"Não é que eu apoie; necessariamente; as suas políticas ou qualquer outra coisa, mas como ele esteve no poder durante tanto tempo, sinto que ele cuidou muito bem de nós", afirma uma japonesa.

Dos Estados Unidos da América chegaram as condolências. Washington enalteceu o papel de Abe na manutenção das relações entre as duas potências mundiais.

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, diz que "durante o tempo que esteve no cargo, o primeiro-ministro Abe fez mais do que ninguém para elevar as relações entre os Estados Unidos e o Japão a novos patamares".

Também o presidente de França fez questão de prestar homenagem a Shinzo Abe.

"Envio as condolências e a amizade de França ao Sr. Abe, à sua esposa, à família, e ao povo japonês", afirma Emmanuel Macron.

O Governo do Japão anunciou que vai condecorar a título póstumo o antigo primeiro-ministro Shinzo Abe com o Colar da Ordem do Crisântemo, a mais alta condecoração do país do sol nascente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos