O assassinato que assombra eleição presidencial no Quênia

Chris Msando
Chris Msando, chefe de tecnologia da comissão eleitoral do Quênia, foi assassinado há cinco anos

Uma votação mal realizada e o terrível assassinato de um alto funcionário encarregado da tecnologia de votação em 2017 ainda assombram o Quênia, enquanto o país se prepara as eleições presidenciais da próxima semana.

O presidente da comissão eleitoral independente tentou repetidamente tranquilizar um público cético de que sua equipe pode realizar uma votação confiável, mas também alertou sobre uma campanha coordenada, especialmente nas mídias sociais, para difamar e intimidar seus funcionários.

"Nossa equipe na comissão, especialmente [as de] tecnologia da informação e comunicação, agora estão assustadas... Eu só quero pedir às pessoas por trás disso que parem o que estão fazendo", disse Wafula Chebukati a jornalistas.

Ele tem motivos para se preocupar: há cinco anos, seu então chefe de tecnologia, Chris Msando, foi sequestrado e brutalmente assassinado, junto com sua amiga Carol Ngumbu, de 21 anos.

Seus corpos foram encontrados em arbustos nos arredores da capital, Nairóbi — e ninguém foi preso ou acusado pelos assassinatos que permanecem envoltos em mistério.

"Com um serviço de polícia profissional e um governo profissional e eficaz, certamente teríamos algum desfecho sobre este assunto... A nação não sabe quem tirou a vida de um funcionário eleitoral que estava lidando com uma parte muito sensível das eleições", disse o diretor executivo da Anistia Internacional no Quênia, Irũngũ Houghton, a uma emissora de TV local recentemente.

Com um jeito amigável e calmo, Msando foi assíduo nas emissoras de TV locais, demonstrando as medidas que tomou para garantir que a eleição não fosse fraudada.

"Eleitores mortos não vão aparecer durante minha gestão", disse ele em uma entrevista.

Ele havia confiado em dados biométricos para verificar os eleitores usando impressões digitais e um sistema eletrônico para transmitir os resultados.

Pilhas de voto impresso
Cédulas de voto a serem usados ​​na eleição foram impressos fora do país

O uso de tal tecnologia foi adotado após os resultados das pesquisas de 2007, quando acusações de preenchimento de votos desencadearam semanas de violência — em que pelo menos 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 600 mil fugiram de suas casas. Na época, o então presidente da comissão eleitoral chegou a admitir que não tinha certeza de quem havia vencido.

Essa eleição parece que também será uma disputa presidencial acirrada — entre os favoritos estão Raila Odinga, um líder da oposição de longa data que está disputando pela quinta vez e o vice-presidente William Ruto.

'Tecnologia não é democracia'

Para tornar as coisas mais dramáticas, o ex-presidente Uhuru Kenyatta está torcendo para que Odinga, um inimigo que virou aliado, o sucederá após o rompimento de seu relacionamento com Ruto.

Os eleitores também escolherão governadores, senadores, deputados e membros da assembleia do condado.

No entanto, o uso crescente de tecnologia nas três votações desde 2007 não trouxe credibilidade — e em 2017 levou a Suprema Corte a anular a votação e ordenar uma nova eleição.

"Apesar dos fracassos em 2013, mais tecnologia foi adquirida em 2017. O custo da eleição saltou de US$ 10 por eleitor registrado na primeira eleição para US$ 25 na outra edição, dando ao Quênia a duvidosa honra de realizar as eleições mais caras na África", disse à BBC Nanjira Sambuli, analista de tecnologia e governança.

"Tecnologia não é democracia", disse Sambuli.

A Suprema Corte considerou a votação de agosto de 2017 "inválida, nula e sem efeito", pois cerca de 10.000 seções eleitorais não transmitiram os votos.

"Esse foi um número significativo, além de a comissão eleitoral ter dado desculpas quando foi pedida a abertura de servidores de computador para uma revisão do que aconteceu", disse o advogado constitucional James Mamboleo à BBC.

"Eles disseram que a comissão deve prestar contas ao povo em todos os processos, desde o registro de eleitores até um sistema de transmissão eficaz."

A decisão prejudicou a confiança em Chebukati, mas ele conseguiu permanecer no cargo apesar da pressão implacável para que ele renunciasse.

Desta vez, a comissão reutilizará dezenas de milhares de kits de verificação eleitoral comprados para a segunda edição de outubro de 2017 e reforçou seus procedimentos.

Somente as pessoas que puderem ser verificadas pelo sistema eletrônico votarão e uma foto dos resultados será enviada digitalmente de mais de 50.000 assembleias de voto em vez de apenas uma mensagem de texto.

O funcionamento previsto para a votação presidencial é o seguinte:

  • Todos os eleitores terão que ser verificados por meio de impressão digital ou cartão de identidade

  • Após o fechamento das urnas, uma imagem do formulário de resultados, assinada pelo presidente e delegados dos partidos, será transmitida eletronicamente usando o kit de votação integrado para o distrito eleitoral e centro de apuração nacional

  • Uma cópia do formulário será entregue aos delegados dos partidos e afixada fora da seção de voto

  • Os kits de verificação de eleitores serão restritos geograficamente a seções de voto individuais para evitar fraudes

  • O vencedor só será anunciado após o recebimento do formulário físico de resultados pela comissão para verificação em relação à foto inicialmente enviada.

"Vamos tornar muito difícil nesta eleição que as pessoas contestem na justiça os resultados que temos, porque somos tão transparentes que, mesmo que eles queiram ir ao tribunal, ficariam muito envergonhados de fazer isso", disse à BBC um dos comissários eleitorais, Justus Nyangaya.

Ele também disse que o kit de identificação do eleitor enviaria informações ao centro nacional de contagem a cada duas horas, o que, segundo ele, impediria as tentativas de encher as urnas.

Wafula Chebukati
Chebukati tem a missão de se redimir depois que a última eleição foi anulada

Ainda atormentado pela última eleição, o presidente da comissão eleitoral também instou a mídia, os partidos políticos e a sociedade civil a fazer sua própria contagem de votos.

"Chebukati pretende fazer as pazes assumindo total responsabilidade como gestor e instituindo um sistema que garanta eleições livres, justas, transparentes e verificáveis ​​para se exonerar do legado do gestor conhecido por eleições malfeitas", disse o analista político Hesbon Owila à BBC.

"Como indivíduo, ele aprendeu com o passado, mas como quenianos, podemos apoiar, mas também estar vigilantes".

Mamboleo concorda: "A comissão eleitoral tentou cumprir os altos padrões estabelecidos por essa decisão da Suprema Corte de 2017? Na minha opinião, sim. Eles envolveram partidos políticos, candidatos e o público de maneiras que não vimos nas eleições anteriores."

Um apelo à justiça

Por lei, a comissão eleitoral tem sete dias após a votação para declarar os vencedores — e ao encorajar a mídia e outros a contabilizar os resultados, Chebukati espera que a transparência embase ele e a comissão.

Certamente será um marco importante para o Quênia se isso for alcançado.

Quando as famílias de Msando e Ngumbu marcaram o quinto aniversário de seus assassinatos no mês passado, eles novamente disseram que a democracia do Quênia deveria estar ancorada no estado de direito — e que esperavam que um dia eles também tivessem justiça.

"Rezamos para que um dia conheçamos a verdade", escreveu a família de Msando em um obituário em um dos jornais locais.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62465390

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!