'O brasileiro pula no esgoto e não acontece nada', diz Bolsonaro sobre coronavírus

Fabio Murakawa, do Valor

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira acreditar que a pandemia de coronavírus não causará no Brasil danos na mesma magnitude da que ocorre nos Estados Unidos. E atribuiu isso a uma suposta resistência da população aos microorganismos, dizendo que o brasileiro mergulha no esgoto “e não acontece nada com ele”.

Os EUA passaram hoje a China em número de casos confirmados de coronavírus, tornando-se o principal centro da pandemia. Os diagnósticos positivos por lá chegaram a 81.332, segundo o site Worldometer, em comparação a 81.285 do país asiático. A Itália vem em seguida, com 80.689 casos. Nos EUA, morreram até hoje 1.173 pessoas por causa da covid-19.

Ao chegar ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro foi questionado por jornalistas sobre se a situação no Brasil poderá um dia chegar ao ponto em que está a americana.

- Eu acho que não. Eu acho que não vai chegar a esse ponto - respondeu. - Até porque o brasileiro tem que ser estudado. Ele não pega nada. Você vê o cara pulando em esgoto ali, sai, mergulha, tá certo? E não acontece nada com ele.

Bolsonaro disse acreditar que muitas pessoas já estão infectadas no país.

- Eu acho até que muita gente já foi infectada no Brasil, há poucas semanas ou meses, e eles já têm anticorpos que ajudam a não proliferar isso daí - disse o presidente. - Estou esperançoso que isso seja realmente uma realidade.

Segundo o presidente, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, “já está convencido” de que esta é a melhor estratégia.

- Estou vendo governadores recuarem da quarentena, abrir comércio - disse. - A segunda onda (da pandemia) já chegou, com desemprego em massa.

Bolsonaro disse ter conversado hoje com representantes do setor hoteleiro, um dos que mais sofrem com as restrições. Disse ter sido informado por eles de que haverá “uma onda de demissões”.

- Com o desemprego vem a fome - disse Bolsonaro, completando: - O momento é de excepcionalidade.

Bolsonaro ponderou que, “infelizmente, vai ter morte” por causa do coronavírus. Mas, segundo ele, a maneira como a doença foi tratada pela imprensa e parte da classe política foi exagerada.

- Foi demais, previram uma catástrofe com milhares de mortes -  disse. - Alguns governadores e prefeitos exageraram na dose, fechando tudo.

Ele afirmou que a primeira vítima da pandemia foram os 38 milhões de trabalhadores autônomos, que agora “passam fome por causa da histeria levada pela mídia e por políticos”.

- Acho que alguns governadores e prefeitos erraram na dose -  repetiu, reforçando que "o povo quer trabalhar”.

Ao defender o isolamento vertical, Bolsonaro afirmou que “tem que voltar quase tudo”, em referência às atividades econômicas paralisadas por conta da crise. E disse que é responsabilidade da população manter seus idosos isolados.

- O brasileiro tem que entender que quem salva a vida dele é ele -  afirmou Bolsonaro.

O presidente disse também que já há planos para isolar idosos em hotéis. E, em tom de brincadeira, defendeu que haja uma campanha com o slogan: “vovô, fique em casa”.