O Caminhos da Reportagem aborda neste domingo a arquitetura verde

·4 minuto de leitura

Longe do verde e rodeados da paisagem urbana, muitas vezes esquecemos que nossos hábitos de vida – e até mesmo o lugar onde vivemos – têm um impacto na conservação do meio ambiente. Na edição deste domingo, o programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil, mostra modelos de construção de casas e edifícios, residenciais ou comerciais, podem ter consequências diretas no consumo de água e energia, na geração de resíduos e qualidade de vida de quem ocupa esses espaços. Pensar formas mais sustentáveis de construir já é uma preocupação de muitos profissionais que buscam uma arquitetura com menos impacto para as gerações futuras.

A construção civil é um dos setores que mais geram resíduo – responsável por aproximadamente 60% do lixo sólido urbano, de acordo com a Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon). A estimativa é que para cada três casas construídas, uma delas seria somente resíduo, aponta o engenheiro Frederico Rosalino, especialista em bioconstrução. Medidas para evitar o desperdício de materiais e projetos com soluções que garantam boa ventilação e iluminação natural dos espaços evitam impactos ambientais durante e após as obras.

Sítio Nós na Teia usa materiais alternativos na construção de casas
Sítio Nós na Teia usa materiais alternativos na construção de casas

Sítio Nós na Teia usa materiais alternativos na construção de casas - Reprodução/ TV Brasil

Em Brasília, equipe do Caminhos da Reportagem visitou um espaço que une diversas soluções verdes para garantir que seus moradores vivam com o menor impacto ambiental possível. O Sítio Nós na Teia, planejado pelo arquiteto Sérgio Pamplona, é 100% abastecido com água da chuva, graças a um sistema de reaproveitamento e à adoção de estratégias de uso racional do recurso. As construções no local também usam materiais sustentáveis – como pneus e garrafas reciclados e até mesmo bambu – e parte da comida é plantada no próprio local.

“Com a mentalidade atual, onde o ser humano chega, geralmente ele tira o solo fértil e vive num deserto. E aí come a comida que vem de longe e sabe-se lá produzida de que forma. A gente quer integrar essas coisas e fazer esses ciclos de vida estarem próximos - e nós, inseridos nesse ciclo de vida”, explica.

Edifícios verdes

A preocupação com uma forma mais sustentável de construir e habitar os espaços também ganha fôlego entre as edificações empresariais. O movimento global Green Building concede certificações a construções que adotem boas práticas ambientais em diversos aspectos como uso eficiente da água, da energia, qualidade interna do ar e a gestão de resíduos.

Setor da construção civil é um dos maiores produtores de resíduos
Setor da construção civil é um dos maiores produtores de resíduos

Setor da construção civil é um dos maiores produtores de resíduos - Reprodução/ TV Brasil

Estima-se que o mercado global de edifícios verdes não residenciais deve crescer de 69 bilhões de dólares, em 2020, para mais 79 bilhões, em 2021. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a construção de prédios sustentáveis pode gerar mais de 6 milhões de postos de trabalho no mundo até 2030.

A sede do laboratório Sabin, em Brasília, conta com um desses selos graças às soluções adotadas na sua construção que permitiram uma grande economia em energia, como janelas amplas que garantem uma boa iluminação, vidros que não absorvem o calor e teto verde que reduz o uso de ar condicionado.

Favelar

Mas, construir de forma sustentável, ainda está longe da realidade da maioria dos brasileiros. Pensando em proporcionar o acesso das populações de baixa renda a serviços de construção de qualidade e com menos impacto ambiental, o engenheiro Fábio de Moraes criou a Favelar, empresa que atende essencialmente moradores de comunidades do Rio de Janeiro. Um levantamento do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) apontou que apenas 15% da população conseguem engenheiros ou arquitetos na hora de fazer uma obra ou reforma.

“Fazer construção sustentável no Brasil ainda é um grande desafio, especialmente em territórios em situação de vulnerabilidade social. É preciso que a gente transforme toda a cadeia e a indústria para fazer com que os materiais sustentáveis e ecoeficientes cheguem de maneira acessível a esses territórios. Ainda é um desafio, mas nós viemos trabalhando para mitigar esse impacto”, conta.

Ficha técnica:

Reportagem: Gracielly Bittencourt

Produção: Amanda Cieglinski, Ana Passos, Cíntia Vargas e Gracielly Bittencourt

Imagens: André Rodrigo Pacheco e Sigmar Gonçalves

Apoio imagens: Eduardo Guimarães

Auxiliares técnicos: Alexandre Souza, Edivan Viana, Thiago Pinto

Apoio ao auxílio técnico: Carlos Junior, Rafael Calado

Edição de texto: Amanda Cieglinski

Edição de imagens: André Eustáquio e Jerson Portela

O Caminhos da Reportagem vai ao ar neste domingo, às 20h, na TV Brasil. A íntegra da edição de hoje fica disponível no site do programa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos