O carnaval carioca contado em 30 grandes imagens

Extra
·3 minuto de leitura

O desfiles das escolas de samba do Rio completará no ano que vem 90 anos. Em quase nove décadas de festa, o carnaval foi testemunha de grandes momentos. Nesta viagem pela história, o projeto CarnaLive vai recordar em 30 grandes imagens como os desfiles se transformaram na maior manifestação cultural do país.

Desfile da escola de samba Depois Eu Digo, em 1948, na Av. Presidente Vargas, que passou a abrigar os desfiles após a demolição da Praça XI.

Ala coreografada do minueto no desfile campeão do Salgueiro com "Xica da Silva", em 1963

Considerado o maior samba-enredo da história, 'Aquarela Brasileira" de Silas de Oliveira passou na Avenida pela 1ª vez em 1964

O desfile em homenagem ao 4º centenário do Rio, em 1965: destaque do Império Serrano, campeão naquele ano, com o enredo "Os 5 bailes da história do Rio"

Nostalgia pura: A decoração da Av. Presidente Vargas nos anos 70

Dona Ivone Lara, a baiana das baianas no desfile de 1972 do Império Serrano

Beth Carvalho e Jamelão no desfile de 1975 da Mangueira

Elza Soares já puxou samba na Mocidade. Seu último ano no posto foi em 1976

A coroação do Rei da Mangueira: Cartola desfila pela última vez em 1978 pela sua escola do coração

Clara Nunes desfile junto com a velha guarda na comissão de frente da Portela, em 1980: a escola foi uma das campeãs

O último título do Império Serrano e o 1º de Rosa Magalhães: “Bum-Bum Paticumbum Brugurundum”, enredo de autoria do mestre Fernando Pamplona

O abre-alas da Mangueira de 84 tinha Braguinha sentado num banco: desfile supercampeão na inauguração do Sambódromo

Monique Evans ocupando o ainda pouco conhecido posto de rainha de bateria ao lado dos ritmistas da Mocidade, no futurista desfile "Ziriguidum 2001", em 85

Com água na altura da canela, os componentes da Beija-Flor cruzaram a Avenida em meio a um dilúvio no desfile "O mundo é uma bola" (1986)

Autor do enredo "Kizomba", Martinho vibra num dos maiores desfiles da história do carnaval, no 1º título da Vila

O Cristo censurado passa pela Avenida com a faixa "Mesmo proibido, olhar por nós". O carnaval "Ratos e urubus", de 89, é considerado pelos críticos como o maior da história

Joãosinho Trinta lava a alma e a Sapucaí durante "Ratos e urubus"

A estreia campeã de Renato Lage na Mocidade em 1990, com o "Vira, virou", marca o início de um grande casamento entre escola e carnavalesco

Público e escola de samba cantavam em plenos pulmões "Explode coração" no arrebatador desfile do Salgueiro de 1993

Dezenas de águias passaram na Avenida, mas os portelenses sempre colocam a de 95 na lista das mais deslumbrantes

Homenageado, o pé-quente Chico Buarque desfilou em 1998 como enredo da Mangueira: campeões

Com Carlinhos de Jesus no comando, a comissao de frente da Mangueira reviveu grandes baluartes do samba, como Cartola, Noel Rosa, Pixinguinha... Emocionante!

Silvio Santos vem aí! E ele apareceu: o apresentador do SBT foi o grande homenageado da Tradição em 2001

Joãosinho Trinta colocou um homem voador para cruzar a Avenida no desfile da Grande Rio, em 2001

Em 2004, a ex-porta-bandeira Dodô virou madrinha de bateria da Portela em uma homenagem mais do que merecida

Paulo Barros colocou definitivamente a Unidos da Tijuca entre as grandes escolas do carnaval com o carro do DNA

Neguinho da Beija Flor virou noivo em plena Sapucaí ao se casar com Elaine Reis. O puxador ainda tratava um câncer na época

Quem não se lembra do truque de mágica da comissão de frente da Tijuca em 2010... A escola e Paulo Barros se sagraram campeões naquele ano

Com 15m de altura a "Águia-redentora" da Portela foi a grande imagem do carnaval de 2015. Linda!

Porta-bandeira da Mangueira, Squel surpreendeu a Sapucaí ao desfilar "careca", para representar uma iaô, no desfile em homenagem a Maria Bethânia em 2016