'O centro cirúrgico foI invadido pela fumaça preta e espessa', diz médico do Hospital de Bonsucesso após incêndio

Marjoriê Cristine
·2 minuto de leitura
Pacientes sendo retirados do Hospital Federal de Bonsucesso, que foi atingido por incêndio
Pacientes sendo retirados do Hospital Federal de Bonsucesso, que foi atingido por incêndio

Uma fumaça preta e espessa invadiu as salas de centros cirúrgicos enquanto o incêndio atingia o prédio central do Hospital de Bonsucesso, na Zona Norte do Rio, na manhã desta terça-feira, dia 27. Clínico geral da instituição desde 1978, dr. Julio Noronha estava no local quando a fumaça surgiu e ajudou na remoção de pacientes que precisaram ser retirados em macas e em lençóis na pressa de evitar uma tragédia. O médico afirma que a fumaça entrou pela tubulação e chegou até o quinto andar, justamente onde se localizava os blocos cirúrgicos.

Ao todo, 162 pacientes do prédio 1 foram levados para o prédio 2, onde há um Centro de Terapia Intensiva, até a chegada do Corpo de Bombeiros. Ao EXTRA, o médico conta que estava do lado de fora quando viu tudo acontecer e correu para ajudar.

— O hospital foi invadido por essa fumaça, que era preta e espessa. Era muito intensa. Dizem que entrou pelo condutor de ventilação e se espalhou muito rápido. E aquilo foi um sinal de alerta. No bloco cirúrgico, onde pacientes eram atendidos, anestesistas e cirurgiões imediatamente começaram a evacuar as salas, localizadas no quinto andar. Depois, outras áreas foram evacuando do prédio central também — diz o médico.

Segundo Dr. Noronha, os pacientes foram levados, em um primeiro momento, para Praça da Liberdade, que fica dentro do hospital. Dali, a direção do HFB, Samu e a Secretaria Municipal de Saúde trabalharam para orientar nas transferências dos pacientes.

— Os casos de Covid menos graves foram encaminhados para o Hospital de Campanha da Fiocruz. Mas os mais graves foram levados para outras unidades do município. Os bombeiros ainda estão lá, jogando água e tentando apagar. Mas o vento também leva a fumaça para o outro lado, faz ela descer para o pátio, isso prejudica a visibilidade também.

A maior preocupação foi na remoção desses pacientes, principalmente por causa da fumaça inalada e nas condições de um paciente em estado grave.

— A preocupação é com esses pacientes graves. Mudar de um CTI para o outro, tem a situação respiratória. É uma situação atípica — diz.