O designer de games que quer transformar uma drag queen no próximo Mario

Rafael Argemon
Amanda Sparks é drag representada por desenvolvedor José Henrique Oliveira.

Na disputa com mais outros três games em uma das categorias do BIG Festival, maior festival de jogos independentes da América Latina que acontece em São Paulo de 27 a 30 de junho, Spikes on High Heels é a nova investida do designer de jogos José Henrique Oliveira. Seu ambicioso plano é transformar seu alter-ego, a drag queen Amanda Sparks, em um personagem do tamanho do encanador bigodudo Mario, símbolo da gigante Nintendo e um dos maiores ícones do mundo dos games.

A tarefa, claro, é das mais complicadas. Mas nada que abale esse carioca de 36 anos que desenvolve games nas horas vagas, quando não está trabalhando como motion designer em uma agência de publicidade na capital paulista, fazendo cosplay de seus personagens preferidos em feiras e encontros de cultura nerd/geek, ou se apresentando como a drag Amanda Sparks. 

“Comecei a me montar em 2011 com umas amigas minhas. Na época eu já fazia jogos para me divertir, sem pensar em lançar comercialmente. Até que um dia, um amigo falou brincando: ’por que você não faz um Flappy Drag Queen?’. Acabei fazendo e tive a sorte de lançar o jogo um dia depois que o cara que lançou o Flappy Bird tirou o jogo da plataforma. Meu jogo acabou pegando a onda de popularidade do original e teve uns 100 mil downloads de cara. Aí as pessoas começaram a me conhecer de verdade.”

Desde Flappy DragQueen, uma paródia de Flap Bird, jogo que se tornou viral em março de 2013, Henrique não parou mais e passou a levar a sério sua empreitada por meio de seu próprio selo, o Amandapps

“Sempre foi um sonho fazer meus próprios jogos. Cresci jogando Mario, Alex Kid, Sonic. E como na época eu, como drag, era um pouco mais conhecido do que hoje, pensei: ‘por que não lançar jogos como eu como personagem principal?’. Eu nunca tinha visto um jogo que tivesse um personagem drag queen. É um mundo tão lúdico, tão cheio de referências que eu achei que podia sair muita coisa divertida daí. E é uma questão...

Continue a ler no HuffPost