O encontro fatal entre a Covid-19 e a obesidade

Obesidade aparece como o principal fator de risco na população com menos de 60 anos

As chamadas comorbidades elevam os riscos de casos graves e de mortes pela Covid-19. No país, de acordo com estudo produzido pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), são 86 milhões de pessoas que têm algum fator de risco que pode levar ao agravamento do quadro. As doenças cardíacas e a diabetes estão no topo da lista na população idosa, com 65 anos ou mais. Porém, entre os mais jovens, as estatísticas revelam a obesidade como o principal fator de risco, entre tantos outros. No ano passado, o Brasil tinha mais de 18 milhões de obesos e 70 milhões de pessoas com sobrepeso, o dobro na comparação com 30 anos atrás. No Ao Ponto desta quarta-feira, a repórter especial Ana Lúcia Azevedo e o oncologista Daniel Tabak, membro da Academia Nacional de Medicina e integrante do comitê de combate ao novo coronavírus do Rio de Janeiro, explicam como o organismo de uma pessoa obesa reage à Covid-19 e como isso aumenta a gravidade dos casos nessa população.

O episódio também pode ser ouvido na página de Podcast do GLOBO. Você pode seguir a gente em Spotify, iTunes, Deezer.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes do dia.