O estilo inconfundível de Elizabeth II para encarar uma função única

Ternos de cores vivas, um chapéu combinando e um par de luvas imaculadas. O estilo de vestir da rainha Elizabeth II era instantaneamente reconhecível, um "uniforme" que ela mesma criou para incorporar sua função.

Durante seu reinado de setenta anos, a monarca pareceu ter experimentado todos os tons da cartela de cores, do amarelo bebê ao verde neon, passando pelo fúcsia e azul royal.

Seja qual cor escolhia, sempre se vestia de forma "impecável", segundo seu neto Harry.

Um estilo inconfundível que ela mesma forjou, com a ajuda de estilistas e conselheiros.

"Ela tem um estilo próprio que lhe cai muito bem", comentou uma vez o estilista francês Alexandre Vauthier, pupilo por 10 anos de Jean Paul Gaultier. "É, realmente, seu DNA. É a única pessoa no mundo que se veste assim, o que faz com que ela seja imediatamente reconhecida."

O código de vestimenta real obedece a regras pragmáticas: deve-se poder identificar a rainha de longe, inclusive dentro de uma catedral ou de um estádio lotado, o que lhe impõe cores claras ou fortes, e a roupa não deve ser desconfortável.

Desta forma, suas bainhas eram feitas com pesos de cortina, para que a roupa não voasse durante as tempestades nas ilhas britânicas, e as peças nunca eram transparentes, nem muito justas ou curtas.

O estilista da rainha deveria ser britânico. O primeiro, Norman Hartnell, criou seu vestido de noiva (1947) e o de sua coroação (1953). Assinou, em seguida, vários vestidos de noite, românticos nos anos 1950 e mais ajustados na década seguinte.

"Devo dizer que fazer vestidos para a rainha não é uma tarefa fácil", ressaltou certa vez Hardy Amies, estilista oficial da soberana por quase meio século. "Não porque falte a ela espírito de cooperação ou profissionalismo", de forma alguma", acrescentou.

"Entendi, como outros estilistas que trabalham para a rainha, que a roupa pode ser, por si só, uma mensagem política", disse Amies.

Cor, comprimento da manga, símbolos: tudo precisava ser estudado antes de a rainha viajar para o exterior. Durante a visita histórica de reconciliação à Irlanda, em 2011, ela se vestiu de verde-esmeralda, cor daquele país.

Flores simbolizando os países apareciam em bordados ou broches durante as viagens oficiais, em homenagem aos anfitriões. O vestido que a rainha usou na recepção no castelo de Dublin tinha 2 mil flores de três folhas bordadas, um sinal tão forte quanto as primeiras palavras de seu discurso, em celta.

A imagem de senhora amável da rainha, não nos deixa esquecer que ela foi uma bela mulher. "Em sua juventude, Elizabeth era divertida e dinâmica, entusiasta e espontânea", lembra a historiadora Kate Williams.

Em uma foto de 1954, ano seguinte à sua coroação, ela é vista sensual, em um vestido justo de renda branca de Hardy Amies. Em 1969, reuniu-se com o então presidente americano, Richard Nixon, com um elegante modelo fúcsia.

Ao longo dos anos, a rainha tornou-se a soberana "muito digna e ligada a seus deveres", comentou Kate. Uma mudança que se reflete no caráter "tradicional, inclusive uniforme", de suas roupas, segundo Alexandre Vauthier.

Mas foi uma mulher, Angela Kelly, a responsável por fazer com que Elizabeth II aparecesse sempre impecável nas últimas duas décadas. Esta inglesa de Liverpool, de origem modesta, entrou para a equipe de estilistas da rainha em 1993, e se tornou sua designer particular em 2002.

mpf/ra/lbf/dm/mr