O GLOBO ganha quatro medalhas em prêmio internacional de design gráfico

O Globo
·3 minuto de leitura

RIO - Produções do GLOBO para as versões digital e impressa do jornal foram premiadas nesta sexta-feira com quatro medalhas concedidas pela “ÑH 2020 — O Melhor Desenho Jornalístico”, concurso anual de design gráfico que engloba publicações da América Latina, Espanha e Portugal. Os trabalhos foram premiados com medalhas de bronze nas categorias Primeira Página, Páginas Interiores e Fotografia, referentes à versão física do jornal, e Breaking News, relativa ao conteúdo virtual. A pandemia da Covid-19, crise mundial acompanha pela imprensa desde o início do ano, permeia os quatro trabalhos agraciados com o prêmio.

Na categoria Primeira Página, a medalha de bronze conquistada pelo GLOBO contempla a edição do dia 8 de agosto deste ano, quando o Brasil atingiu a marca de 100 mil mortos em decorrência do novo coronavírus.

Na ocasião, o jornal se apresentou aos leitores com a manchete "100 mil histórias" e com milhares de fotos de vítimas que formavam o rosto de Rosana Aparecida Urbano, de 57 anos, primeira brasileira fatalmente afetada pela doença.

Esforço coletivo

A capa em que Rosana aparece foi criada por Alan Gripp, chefe de redação do GLOBO e Alessandro Alvim, editor executivo do jornal, além do ilustrador André Mello e do designer Felipe Hadad. Uma parceria com o "Jornal Nacional", da TV Globo, garantiu o repositório de imagens utilizado na produção em questão. O conteúdo também foi disponibilizado online.

— As medalhas refletiram a nossa produção deste ano, quando a Covid-19 dominou o noticiário, e o esforço da Redação Integrada em trazer sempre material gráfico diferente e especial para os leitores, nos ambientes digital e impresso, de maneira fluída, lúdica e informativa — afirma Alessandro Alvim, completando: — Em uma cobertura que lida com muitos elementos abstratos, buscamos, através da infografia, criar narrativas que ajudassem a explicar a pandemia.

A edição de 11 de maio deste ano, publicada quando o país chegou a 10 mil mortos pela Covid-19, garantiu a medalha de bronze na categoria Páginas Interiores. Com o objetivo de humanizar a informação sobre os óbitos, o jornal publicou uma homenagem às trajetórias pessoais das vítimas, em parceria com o projeto colaborativo Inumeráveis. Intitulado "10 mil histórias — Cada morte uma vida", o trabalho foi assinado pelo diagramador Telio Navega e pela editora Gabriela Goulart, da editoria Rio.

Registrada pelo fotógrafo Roberto Moreyra, a médica intensivista Roberta Lima é a protagonista do retrato premiado com a medalha de bronze na categoria Fotografia. A imagem destaca as marcas deixadas no rosto da profissional pelo trabalho diário na UTI do hospital Copa Dor, na Zona Sul do Rio, em meio à pandemia. A foto foi publicada na primeira página do GLOBO em 15 de maio deste ano.

Na premiação de conteúdos digitais, ganhou a medalha de bronze o trabalho "Riscos de contágio por Covid-19 em um bar lotado", um infográfico com imagens em 3D que simula os riscos de infecção pelo novo coronavírus num estabelecimento comercial repleto de clientes. O trabalho foi desenvolvido pelo editor assistente Felipe Nadaes; os designers Ana Costa e Vinicius Machado e o desenvolvedor Gabriel Valverde. Houve também reportagem de Pedro Zuazo e coordenação de Alessandro Alvim e Daniel Lima.

Outros veículos de imprensa brasileiros também foram contemplados pelo "ÑH 2020": houve medalhas dedicadas também aos jornais "Folha de S.Paulo"e "O Povo", à revista "Veja Saúde" e ao portal "Metrópoles".