O magnata chinês que fez tremer segurança nacional dos EUA

·3 minuto de leitura
Group of four aircraft fighter jet airplane sun glow toned gradient clouds sky
Com patrimônio estimado em US$ 2,1 bilhões, Sun Guangxin se encaixa na posição 1.750 do ranking de pessoas mais ricas do mundo
(Getty Creative)
  • Sun Guangxin, magnata chinês, comprou 140 mil hectares de terra próximos à base militar dos EUA

  • Apesar de ter sido descoberto por grupo de ambientalistas, caso levantou preocupações com a segurança nacional do país

  • Apesar de não ter sido acusado de irregularidades, caso possibilitou criação de lei estadual

Um magnata chinês tem causado sérias preocupações aos Estados Unidos nos últimos tempos. Desde 2016, Sun Guangxin adquiriu pedaços de terra próximos a uma base militar norte-americana, chegando ao incrível número de 140 mil hectares comprados pelo bilionário.

Guangxin foi descoberto, em 2017, por um grupo de ambientalistas que ficou alarmado ao saber que o magnata tinha planos de instalar um parque eólico na região. Segundo um comunicado da RDC, eles estavam preocupados com "os impactos sobre um aquífero (recurso de água subterrânea) local, espécies ameaçadas, bacias de observação da natureza selvagem, valores de propriedade privada, céus escuros, pássaros migratórios e morcegos".

Mas o que parecia ser uma questão ambiental escalou para uma preocupação com a segurança nacional do país. O motivo era bem claro: a proximidade com a Base Aérea de Laughlin, um campo de treinamento para pilotos militares.

Conforme declararam vários parlamentares estaduais e nacionais dos Estados Unidos, havia risco do empreendimento de Guangxin ter intenções bastante preocupantes. Isso porque os cataventos do parque eólico poderiam se conectar à rede elétrica do Texas e desencadear um ciberataque, alterar o fornecimento de energia e ainda coletar inteligência militar.

Depois do caso vir à tona, as autoridades decidiram investigar o empreendimento.

Mas quem é Sun Guangxin?

Com patrimônio estimado em US$ 2,1 bilhões, o chinês se encaixa na posição 1.750 do ranking de pessoas mais ricas do mundo. Só o terreno que possui nos EUA é estimado em US$ 110 milhões.

De acordo com a Forbes, o magnata fez sua própria fortuna, tendo começado no setor gastronômico e, posteriormente, apostado em áreas diferentes, como importação de equipamentos de perfuração de petróleo e imóveis.

Leia também:

Sun virou presidente do Grupo Guanghui, "um conglomerado em expansão que gerou mais de US$ 29 bilhões em receitas no ano passado e que emprega mais de 108 mil pessoas", diz Forbes.

A revista ainda nomeou o chinês de “bilionário secreto”.

Descoberta levou à criação de lei estadual

Apesar das investigações ao parque eólico do magnata, que recebeu aprovação federal, não terem identificado nenhuma irregularidade, o caso foi suficiente para que as autoridades norte-americanas criassem uma lei estadual para proteger a "infraestrutura crítica" contra "nações hostis" aos Estados Unidos.

Trata-se da Lei de Proteção de Infraestrutura Lone Star, que entrou em vigor em julho e que cobre, principalmente, empresas da China, Rússia, Coreia do Norte e Irã. A lei também impede que as companhias acessem infraestruturas como rede elétrica, sistema de água e cibersegurança.

A autora, Donna Campbell, não nega que a inspiração para o projeto veio com o caso de Sun Guangxin, classificado por ela como “um cavalo de Troia”, conforme disse à CNBC. Entretanto, a preocupação abrange casos futuros, pois, segundo a senadora estadual, “se países hostis invadirem nossa infraestrutura, pode ser catastrófico."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos