O massacre de 4 gerações de família em 'ataque de cartel' na Califórnia

A casa que foi atacada
A casa que foi atacada

Quatro gerações de uma família foram mortas a tiros na segunda-feira (16/01), na Califórnia, no que está sendo descrito como uma "execução ao estilo cartel" em uma casa conhecida pela polícia por atividades relacionadas a drogas.

Uma jovem de 16 anos, seu filho de 10 meses, a avó e a bisavó do bebê estavam entre as vítimas, segundo informaram a polícia e a família.

Os policiais estão à procura de dois suspeitos conhecidos do "massacre direcionado".

Em entrevista coletiva na terça-feira (17/01), o xerife do condado de Tulare, Mike Boudreaux, não forneceu os nomes dos suspeitos, mas revelou que as autoridades já tinham bastante informação sobre a tragédia.

Na semana passada, a polícia havia revistado a residência, localizada em Goshen, e encontrado esconderijos para drogas, como maconha e metanfetaminas.

Fotos das vítimas
Fotos das vítimas divulgadas pela polícia

No total, seis pessoas morreram no ataque — e três sobreviveram.

"Nada disso foi por acaso", afirmou Boudreaux. "Foi deliberado, intencional e horrível."

As vítimas foram identificadas pelos investigadores como:

- Rosa Parraz, 72 anos;

- Eladio Parraz Jr, 52 anos;

- Jennifer Analla, 50 anos;

- Marcos Parraz, 19 anos;

- Elyssa Parraz, 16 anos;

- Nycholas Parraz, 10 meses.

De acordo com Boudreaux, um sobrevivente estava deitado no chão, com os pés contra a porta para impedir que os agressores entrassem no cômodo.

"Ele estava com tanto medo que tudo o que conseguiu fazer foi segurar a porta, esperando não ser a última vítima", informou o xerife.

Os outros dois se esconderam em um trailer próximo quando os tiros começaram.

A polícia foi chamada por um dos sobreviventes por volta das 03h30 (horário local) na segunda-feira. Eles encontraram dois corpos na rua e os demais dentro da casa.

Boudreaux disse que a mãe parecia estar fugindo do local com o bebê, e que as evidências forenses mostram que o assassino estava de pé sobre as vítimas quando atirou em suas cabeças do alto.

O escritório do FBI, a polícia federal americana, de São Francisco está auxiliando na investigação, e uma recompensa de US$ 10 mil (aproximadamente R$ 51 mil) está sendo oferecida por informações que levem à prisão dos suspeitos.

A polícia está monitorando a fronteira do México e do Canadá em busca dos suspeitos, informou o xerife, acrescentando que a "insegurança na fronteira" permitiu que a atividade de carteis de drogas mexicanos crescesse na área central da Califórnia nos últimos anos.

"Vamos deixar bem claro, nem todas as pessoas nesta casa eram membros de gangues", afirmou Boudreaux, esclarecendo que a jovem de 16 anos e o filho eram vítimas inocentes.

Ele disse que as mortes têm um aspecto "semelhante às execuções cometidas por gangues poderosas e ao estilo de execução que cometem", porque as vítimas foram "baleadas em locais que o atirador sabia que levaria a uma morte rápida".

Centenas de evidências foram coletadas até agora, segundo o xerife, e os resultados da autópsia das vítimas devem sair nesta sexta-feira.

Ele também fez um apelo à população para verificar as câmeras de segurança em suas propriedades em busca de vídeos de veículos suspeitos na área entre 3h e 5h de segunda-feira.

O avô de Elyssa Parraz contou à agência de notícias Associated Press que ela morava com a família do pai da criança em Goshen. Samuel Pina disse que o tio, a avó e a bisavó do bebê também foram mortos.

"Não consigo entender que tipo de monstro faria isso", afirmou.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-64315241