'O mercado está digerindo bem. Medidas indicam que não há crise institucional’, diz economista

Ex-diretor do Banco Mundial e professor da Fundação Dom Cabral, o economista Carlos Primo Braga afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sai mais forte dos atos golpistas de domingo em Brasília para conseguir aprovar pautas de seu interesse no Congresso. Ele disse que a expectativa de que a Bolsa desabaria e o dólar subiria não se concretizou, com uma reação “nada dramática”.

Veja quem se manifestou: Empresários repudiam terrorismo em Brasília e apontam 'prejuízos a todos'.

Repercussão: Entidades da indústria, comércio, serviços e bancos condenam atos terroristas

Quais as consequências para economia das invasões em Brasília?

Foi uma tragédia. Havia a expectativa de que teria uma desvalorização do real e queda na Bolsa. No primeiro momento, observou-se um pouco disso, mas já se acalmou. O dólar se valorizou, mas não foi nada dramático. O mercado está digerindo, sem dúvida nenhuma.

Houve uma série de medidas que indicam que não há uma crise institucional. Seria o grande perigo. Mas só vamos ter certeza disso a médio prazo. A democracia resistiu bem aos tresloucados. Houve união muito clara das classes políticas, da sociedade. Há uma reação de apoio às instituições democráticas e ao presidente eleito.

O governo Lula sai fortalecido ou não da situação?

O resultado fortalece o governo Lula nas próximas semanas, não foi apenas o Executivo, todo os poderes e a democracia. Houve uma reação da sociedade brasileira. Vai haver um fortalecimento do governo nesse sentido, mesmo no Congresso.

Alvaro Gribel: No Telegram, Bolsonaro ignora atos terroristas e faz postagens sobre seu governo

Até mesmo um deputado como Lira (Arthur Lira, presidente da Câmara, do PP de Alagoas), que vem de uma trajetória de apoio a Bolsonaro, já está se posicionando ao lado do governo Lula, dado o que se passou domingo. O que o governo vai fazer com isso é a grande questão.

Olha a primeira semana da administração Lula. As mensagens que foram emitidas e como o mercado interpretou não foi um bom início. Pode-se dizer que, na primeira semana, ainda estão batendo cabeça, logo vamos ter cooperação.

Goldman Sachs: ‘Impacto de curto prazo na economia será limitado se atos cessarem’

Chamar o teto de gastos (regra que limita o crescimento das despesas) de estupidez, sem oferecer uma clareza sobre qual a âncora fiscal no futuro próximo, as mensagens de rever a reforma da Previdência e o marco do saneamento, tudo isso, vem fazendo o mercado reagir negativamente.

Qual é o temor?

O que pode ser um efeito, digamos, negativo desse processo é o governo se sentir mais à vontade de ter uma política intervencionista, sem atenção ao ajuste fiscal, com o apoio politico de médio e longo prazo, dar asas a uma visão intervencionista para tentar acelerar crescimento, sem as condições fiscais adequadas.

Vai ficar mais fácil para o governo negociar com partidos da oposição, que vão ter dificuldade maior de se opor ao governo nessa fase inicial, após o episódio. Há uma tentação natural de todos darem apoio a um programa de governo mesmo que ideologicamente possa haver diferenças significativas.

Imagino que vamos assistir a um aumento do déficit fiscal. A tendência já era essa. Nesse momento, vamos ver um incentivo a gastos governamentais sem ter receita.

Apuração dos fatos: Senadores já falam em CPI para investigar atos terroristas em Brasília

O episódio assusta o investidor estrangeiro?

O investidor estrangeiro continuará sendo atraído pela taxa de juro elevada. Já o investidor direto estrangeiro tem preocupação natural com a situação política, da instabilidade do Brasil. Vai comparar com Argentina, com México.

No curto prazo, ainda tem muito ruído. Você olha os comentários lá fora, a visão que transmitia é do que aconteceu no Capitólio nos Estados Unidos. Não é uma visão boa para nenhum país. Mas, no curto prazo, os mercado financeiros estão digerindo bem.