O papel dos líderes mundiais na crise do coronavírus

Donald Trump é peça-chave nos desdobramentos da crise provocada pelo coronavírus

A pandemia é mundial, mas cada país adota a estratégia que entende ser a mais conveniente para enfrentar o novo coronavírus. E cada líder encontra sua forma de lidar com a emergência global. A China e os Estados Unidos, por exemplo, decidiram ampliar o acirramento de suas relações. O presidente americano, Donaldo Trump, passou a chamar a Covid-19 de "vírus chinês". A China também jogou a culpa para os Estados Unidos. Aliado de Trump, o deputado Eduardo Bolosonaro entrou no jogo, assumindo o risco de uma crise com o mais relevante parceiro comercial do Brasil. Enquanto políticos travam uma batalha por holofotes, profissionais da saúde lutam para salvar vidas. E a população passa pela provação do isolamento e das quarentenas. No Ao Ponto desta segunda-feira, o colunista Demétrio Magnoli analisa a falta de cooperação entre líderes políticos mundiais diante do avanço da pandemia e quais são os impactos disso para enfrentar uma crise sem precedentes.

O episódio também pode ser ouvido na página de Podcast do GLOBO. Você pode seguir a gente em Spotify, iTunes, Deezer.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes do dia.