O processo pelo qual a ascensão de Charles ao trono britânico é formalizada

O príncipe Charles e a rainha britânica Elizabeth na cerimônia funeral da Rainha Mãe, em Londres, 2002. REUTERS/Dan Chung/Arquivo

LONDRES (Reuters) - A rainha Elizabeth, a monarca mais longeva da história do Reino Unido, morreu nesta quinta-feira aos 96 anos de idade, com seu filho Charles sucedendo-a como rei.

Aqui está uma explicação do protocolo que envolve a ascensão de um novo monarca no Reino Unido.

Charles assume o trono imediatamente após a morte da monarca. Um Conselho de Ascensão é convocado o mais rápido possível, geralmente dentro de 24 horas, e realizado no Palácio de St James, a residência oficial do soberano, para proclamar o sucessor.

O conselho é formado por Conselheiros Privados que têm aconselhado monarcas britânicos desde a era normanda. Ele atualmente é composto por cerca de 670 políticos de alto escalão, incluindo a primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss.

Também estão presentes os Lordes Espirituais e Temporais --bispos da Igreja Anglicana que têm assento na Câmara dos Lordes, incluindo o Arcebispo de Cantuária, juntamente com os pares seculares do reino.

O Lorde Prefeito de Londres, altos funcionários e altos comissários dos outros 14 reinos que têm o monarca britânico como seu chefe de Estado também têm assento no Conselho, cujo presidente é atualmente a parlamentar Penny Mordaunt.

Todos os Conselheiros Privados serão convidados, mas nem todos poderão comparecer em cima da hora. Em 1952, após a morte de George 6º, 191 membros participaram do Conselho de Ascensão de Elizabeth.

O Conselho de Ascensão está dividido em duas partes:

PARTE 1

O Lorde Presidente anuncia a morte da monarca e o escrivão do conselho, Richard Tilbrook, lê em voz alta o texto da Proclamação de Ascensão.

O chamado partido plataforma, que inclui membros da família real presentes, a primeira-ministra, o Arcebispo de Cantuária e o Conde Marechal --o duque de Norfolk, Edward Fitzalan-Howard, membro principal da nobreza que é responsável pela organização das cerimônias estatais-- assina a proclamação.

Uma vez assinada, o Lorde Presidente pede silêncio e o Conselho trata de assuntos remanescentes, como a divulgação da proclamação e instruções para o disparo de armas de artilharia no Hyde Park, de Londres, e na Torre de Londres.

Após a Parte 1 do Conselho, a proclamação é lida da Galeria da Proclamação, uma varanda no Palácio de St James, pelo Rei da Jarreteira de Armas, atualmente David White, o arauto sênior na Inglaterra, cujo papel cerimonial prevê um salário anual de 49 libras, fixado na década de 1830.

Ele é acompanhado pelo Conde Marechal e outros oficiais vestindo trajes tradicionais

A proclamação é acompanhada por saudações de armas e viagens dos arautos à Mansion House, na cidade de Londres, onde é lida no Royal Exchange. A proclamação é lida publicamente nas outras capitais do Reino Unido --Edimburgo, Belfast e Cardiff-- e em outros locais.

PARTE 2

A Parte 2 do Conselho de Ascensão é realizada pelo novo soberano, mas nem sempre segue imediatamente a Parte 1. Apenas os Conselheiros Privados participam dela e ela começa com uma declaração pessoal de Charles relacionada à morte da rainha.

Ele faz então um juramento relativo à segurança da Igreja da Escócia, como exigido pelo ato de 1707 pelo qual a Escócia se uniu à Inglaterra e ao País de Gales para formar o Reino Unido. Isso tem sido feito por todos os soberanos em ascensão desde 1714.

Presumindo que Charles escolha governar sob seu nome, o juramento diz: "Eu, Charles 3º, pela graça de Deus do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte e de meus outros Reinos e Territórios Rei, Defensor da Fé, prometo e juro fielmente que manterei e preservarei inviolavelmente o acordo da verdadeira religião protestante, como estabelecido pelas leis feitas na Escócia em prossecução da Reivindicação de Direito e particularmente por uma lei intitulada 'Ato para Assegurar a Religião Protestante e o Governo da Igreja Presbiteriana' e pelas leis aprovadas no Parlamento de ambos os Reinos para a união dos dois Reinos, juntamente com o Governo, Adoração, Disciplina, Direitos e Privilégios da Igreja da Escócia. E que Deus me ajude".

O novo monarca assina então duas cópias do juramento.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759))

REUTERS ES PB