O que é compliance? Demissões de Sormani e Facincani na ESPN mostram 'tolerância zero' da Disney

Sormani foi demitido na sexta; Facincani, na quarta-feira (Fotos: Reprodução / ESPN)


Compliance é o nome da moda no mundo corporativo e está em alta no Grupo Disney, dona dos canais ESPN. A empresa norte-americana mostrou que leva a sério o termo em inglês que, basicamente, se refere a área que preza pelo cumprimento dos processos internos e das regras de relação entre os funcionários. O objetivo é garantir que problemas não aconteçam - pelo menos mais de uma vez.

+ Sormani é demitido da ESPN: veja as movimentações da imprensa esportiva

As demissões de Facincani e Sormani, dois nomes relevantes e conhecidos por opiniões fortes nos programas esportivos, não tiveram relação uma com a outra, apesar de terem acontecido com dois dias de diferença. As duas situações foram analisadas pelo compliance da Disney.

O LANCE! apurou que a saída de Facincani se deu por conta de um problema de relacionamento com a produção do canal. O caso foi levado a instâncias superiores e acabou culminando na demissão do jornalista.

Já Sormani foi demitido após uma acusação mais grave que envolve homofobia. O jornalista teria feito uma piada de conotação sexual contra um funcionário LGBTQIA+ em um banheiro da emissora. O episódio teve testemunhas e o funcionário levou a reclamação ao RH.

+ Facincani é demitido da ESPN: relembre 10 polêmicas com o comentarista

Os dois episódios mostraram que o setor de compliance da Disney é rigoroso. O L! ouviu de uma fonte, que citou a expressão 'tolerância zero', que a Disney preza pela igualdade e o respeito dentro de sua empresa, independente de raça, gênero ou classe social. A ESPN, inclusive, tem um departamento específico para realizar palestras e treinamentos recorrentes sobre os temas.

E o exemplo é confirmado pela atitude da emissora nesta semana. A força dos nomes dos jornalistas, principalmente nas redes sociais da ESPN onde os cortes rendem muitos comentários de concordâncias e discordâncias, não foi suficiente para segurá-los na empresa, mesmo com o crescimento de 78% da audiência da ESPN neste ano, em comparação com 2021.

Facincani já mostrou que virou a página e criou um canal no Youtube onde comentou a saída da ESPN. Sormani ainda não comentou a saída da emissora e o futuro de sua carreira segue incerto. O jornalista foi procurado pelo L!, mas ainda não obtivemos retorno.