O que é o ChatGPT e por que ele é apontado como a nova fronteira da inteligência artificial?

Lançado no fim de novembro, o ChatGPT vem dando o que falar nas últimas semanas. Atraiu um milhão de usuários em poucos dias, despertou o interesse da gigante de tecnologia Microsoft - que aportou mais de US$ 10 bilhões na companhia - e vem sendo apontado como grande rival do Google.

Concorrência: Google recorre aos fundadores Larry Page e Sergey Brin para enfrentar ChatGPT

Nova leva de demissões: Google, Microsoft e Amazon cortam 40 mil vagas em uma semana

Como o próprio nome diz - a sigla GPT quer dizer Generative Pretrained Transformer ou Transformador Generativo Pré-treinado -, a ferramenta de inteligência artificial é capaz de gerar conteúdos escritos, a partir de intenso treino com uma gigante base de dados.

Mas, afinal, como ela funciona? Por que tem atraído a atenção de cidadãos e empresas? E por que, ao mesmo tempo, é considerada a nova fronteira da inteligência artificial e uma potencial ameaça a empregos e ao aprendizado? Veja abaixo:

O que é o ChatGPT?

O ChatGPT é, basicamente, um robô virtual (chatbot) que conversa com o usuário, respondendo a perguntas sobre os mais variados temas. Seu potencial, porém, vai bem além de uma simples conversa como a que estabelecemos com assistentes virtuais de empresas, por exemplo.

Entenda como funciona: Apple lança ferramenta para pequenos empreendedores no Brasil

Lançada em novembro, essa ferramenta de inteligência artificial vem causando furor na internet por sua capacidade de executar tarefas por escrito, de resumo de textos a criação de poemas, em poucos segundos e com muita semelhança às feitas por humanos - por vezes, o resultado final fica melhor.

Como o ChatGPT funciona na prática?

É preciso acessar o site do programa e criar uma conta seguido os passos abaixo:

Acesse o site chat.openai.com/chat;

Toque em "Sign up" para criar uma conta;

Depois, "Create an OpenAI account";

Informe um e-mail, senha e confirme a criação da conta

Uma vez criada a conta, inicia-se a conversa. Segundo a OpenAI, empresa americana que desenvolveu o programa, a ferramenta é treinada para interagir de forma a proporcionar a experiência mais próxima de uma conversação humana.

Rede social: Twitter leiloa a estátua do pássaro azul por US$ 100 mil, enquanto Musk luta para pagar o aluguel

O processo de treinamento consiste em alimentar o chatbot com um grande conjunto de dados de texto. Para isso, humanos especializados em inteligência artificial realizaram conversas cumprindo tanto o papel do usuário (pergunta) como o papel do assistente virtual (respostas).

Depois de diversas interações, os treinadores classificam as melhores conversas para que a ferramenta aprendesse a gerar textos semelhantes.

O que o ChatGPT pode fazer?

Pode resumir textos, escrever poesia ou trabalhos acadêmicos, redigir uma petição judicial ou mesmo uma carta de reconciliação para um amigo.

Também consegue fazer um roteiro de viagem ou dar dicas de restaurantes em determinado lugar.

Consegue traduzir textos em chinês, francês, alemão, italiano, japonês, português, entre outros idiomas.

Dá dicas de receitas, entre outros.

É possível pedir conselhos para o ChatGPT?

Sim, é possível, embora a plataforma diga que essa não é sua intenção. Especialistas também alertam que essa não é a função da ferramenta e que não se deve dar peso aos conselhos, já que isso requer uma subjetividade que as máquinas ainda não têm.

Novidades: Criadores do Pokemon Go vão lançar jogo sobre NBA que aposta no metaverso

Por exemplo, se uma usuária faz uma pergunta se deve ir de vestido longo ou curto a uma festa com o namorado, a resposta é que a roupa depende da formalidade ou casualidade do evento e que o importante é ela se sentir segura e confortável com o que está usando. A companhia na festa não é sequer considerada na resposta.

O serviço é pago?

Por enquanto não. O programa está em fase de testes, e o objetivo da OpeAI neste momento é justamente obter feedback dos usuários para aprimorar a plataforma. Há, inclusive, um ícone de jóia ou mão cerrada com polegar para baixo em que o usuário pode clicar para demonstrar se gostou ou não da resposta. Não está claro se haverá cobrança no futuro.

Quais as limitações?

A própria OpenAI avisa logo que o usuário se loga na plataforma que o sistema pode gerar informação incorreta e também produzir conteúdo preconceituoso ou ofensivo.

Outra limitação é que seus conhecimentos são baseados em dados colocados na internet até 2021. Os criadores da ferramenta aconselham o usuário a checar se as respostas dadas pelo sistema são corretas ou não com outras fontes.

Conhece a Amazônia? Agora, você pode visitá-la sem sair do lugar... no metaverso

Quem criou o ChatGPT?

O sistema foi desenvolvido pela OpenAI, empresa fundada em 2015 nos EUA por Sam Altman (hoje seu principal executivo) e por Elon Musk, que se desligou da companhia em 2018, por considerar que havia conflito de interesse com o seu principal empreendimento, a fabricante de veículos Tesla.

Por que o ChatGPT é considerado um avanço para a IA?

Segundo a BBC, programas de inteligência artificial baseados em texto funcionam armazenando quantidades gigantescas de dados e com algoritmos para prever o melhor encadeamento de uma frase.

Apesar de já usarem uma modalidade que consegue depreender o contexto de uso das palavras, permitindo textos mais bem estruturados, programas anteriores não respondiam tão bem ao usuário ou soavam muito artificiais. O ChatGPT aprendeu a conversar de uma forma mais próxima a de um humano.

Por responder a perguntas de forma clara, vem sendo apontado como um rival para o Google, já que muitos recorrem ao mecanismo de buscas da gigante americana quando estão com dúvidas sobre algum assunto.

O ChatGPT é uma ameaça ao aprendizado e à criatividade?

A capacidade do ChatGPT em gerar textos vem levantamento questionamentos na área de educação. A tentação entre estudantes de usar o programa para encontrar respostas prontas para suas tarefas levou Nova York a proibir o sistema nas escolas e dispositivos da rede pública da cidade.

Além do copia e cola, há o temor de efeitos estruturais no aprendizado, como potencias impactos na execução de uma redação, em que a conexão de ideias precisa ter início, meio e fim.

A tecnologia também desperta preocupação no mercado de trabalho, com a potencial substituição de humanos por robôs.