O que é o 'segundo bissexto' e por que ele será eliminado a partir de 2035

Relógios
Segundo intercalar foi usado 27 vezes desde 1972 - em 2016 pela última vez

Ambos são segundos.

Mas a duração dessa unidade de tempo não é a mesma se nos guiarmos pelas medidas de um relógio atômico (de espantosa precisão) ou pela rotação da Terra.

Isso porque, enquanto a medição baseada nas vibrações dos átomos é incrivelmente estável, o tempo que nosso planeta leva para girar sobre si mesmo, ao contrário, varia.

O movimento das marés, o fato de a Terra não ser um objeto sólido, de registrar movimentos em sua crosta e de ter um núcleo em estado líquido são alguns dos fatores que contribuem para essa variabilidade.

Para compensar a diferença, o Escritório Internacional de Pesos e Medidas (BIPM, na sigla em francês), localizado em Paris, convencionou adicionar periodicamente um segundo bissexto - ou segundo intercalar - quando a diferença entre o tempo astronômico e o universal (ditado por relógios atômicos) se aproxima de 0,9 segundos.

Tudo isso pode parecer insignificante para nós, humildes mortais, mas não é: o segundo é a unidade base para a medição do tempo no sistema internacional de medidas.

Sem a adição, ao passar dos anos a distância entre as duas medidas de tempo só aumentaria.

Globo terrestre
Tempo astronômico e atômico são diferentes

Para sincronizar os dois relógios, o segundo bissexto foi usado 27 vezes desde 1972 - a última vez, em 2016.

Recentemente, contudo, o órgão encarregado de estabelecer os padrões nos sistemas de unidades utilizados em todo o mundo decidiu eliminar essa medida a partir de 2035.

O problema, segundo os especialistas do BIPM, é que é muito difícil prever exatamente quando será necessário adicionar o segundo extra.

Por isso, muitos sistemas que dependem de medições precisas desenvolveram seus próprios métodos para incorporar o segundo. Alguns o fazem no último momento do último dia do ano; outros, no primeiro dia do ano, por exemplo.

Isso acaba colocando em xeque a universalidade do tempo e, por consequência, pode representar um perigo para todos os sistemas digitais que estão interconectados.

A decisão do BIMP, chamada de "resolução D", pede a suspensão do segundo bissexto de 2035 pelo menos até 2135, quando o tema voltaria a ser discutido, possivelmente com novas propostas desenvolvidas por cientistas para conciliar o tempo astronômico com o atômico.

Essa "decisão histórica" permitiria "um fluxo contínuo de segundos sem as descontinuidades atualmente causadas por segundos bissextos irregulares", disse Patrizia Tavella, diretora do departamento de tempo do BIPM.

- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/geral-64043000