O que esperar do incrível telescópio James Webb?

As primeiras imagens feitas pelo telescópio espacial James Webb foram divulgadas nesta semana e já deixaram astrônomos, físicos e o público em geral fascinados com os detalhes inéditos proporcionados por seus equipamentos. Da Nebulosa Carina, foi fotografado um "berçário" de estrelas. Outra imagem divulgada foi da chamada Nebulosa do Anel Sul que, segundo a Nasa, irá "transformar nossa compreensão de como as estrelas se desenvolvem e influenciam seus ambientes". Foram identificados ainda sinais de vapor d'água e evidências de nuvens no exoplaneta Wasp-96 b — um gigante gasoso descoberto em 2014. Isso sem contar a imagem do chamado campo profundo, uma pequena fração do universo abarrotada de galáxias, algumas delas distantes até 13,1 bilhões de anos-luz da Terra. O James Webb, que custou mais de US$ 10 bilhões ao longo de 25 anos de concepção, é tão importante que coube ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, divulgar a primeira imagem registrada, em evento na Casa Branca na segunda-feira (11). O telescópio, que não aposenta o Hubble, foi lançado ao espaço há pouco mais de seis meses, em 25 de dezembro, do território da Guiana Francesa, fruto de uma colaboração entre a Nasa, a as agências espaciais da Europa e do Canadá. No Ao Ponto desta quarta-feira, a astrônoma brasileira Duilia de Mello, professora da Universidade Católica da América (EUA) e colaboradora do Centro de Voo Espacial Goddard, da Nasa, explica o que a humanidade pode esperar do mais poderoso telescópio já construído e quais são os limites e os riscos para o James Webb. Ela também conta como funciona o sistema que define quais projetos terão acesso ao equipamento, inclusive aqueles produzidos por brasileiros.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes da atualidade. O episódio também pode ser ouvido na página de Podcasts do GLOBO. Você pode seguir a gente em plataformas como Spotify, iTunes, Deezer e também na Globoplay