O que este exoplaneta "sobrevivente" nos diz sobre o futuro do Sistema Solar?

·2 minuto de leitura

Uma equipe de astrônomos da Universidade da Tasmânia, na Austrália, descobriu um sistema planetário que nos mostra um cenário semelhante àquele que aguarda o Sistema Solar quando o Sol morrer. Com auxílio do W. M. Keck Observatory, eles descobriram um sistema formado por um planeta gigante gasoso parecido com Júpiter, que sobreviveu à morte de sua estrela e, assim, orbita uma anã branca.

Graças a imagens de alta resolução obtidas pelo telescópio, eles descobriram que a anã branca tem cerca de 60% da massa do Sol, enquanto o exoplaneta sobrevivente tem cerca de 40% mais massa que Júpiter. “Esse sistema nos dá uma ideia de como o Sistema Solar será depois que a Terra desaparecer, engolida pela morte do Sol”, explicou Jean-Philippe Beaulieu, co-autor do estudo.

Confira a animação abaixo, que representa o fim da vida de uma estrela parecida com o Sol:

Esse vídeo ilustra o que acontece após o momento em que o Sol, assim como as demais estrelas de sequência principal, ficar sem combustível para realizar a fusão nuclear que sustenta sua estrutura. Por isso, essas estrelas incham e se tornam gigantes vermelhas, e depois colapsam sobre sua estrutura até encolher. Chegará a um ponto em que elas se tornarão um núcleo quente e denso, denomidadas, assim, de “anãs brancas”.

A equipe conseguiu descartar a possibilidade de o planeta orbitar algo diferente, como uma estrela de nêutrons ou um buraco negro, e concluiu que realmente se trata de uma estrela morta. Assim, Joshua Blackman, líder do estudo, explica que a evidência desse sistema confirma que planetas que orbitam estrelas a distâncias grandes o suficiente podem sobreviver à morte delas. “Considerando que esse sistema é um análogo do Sistema Solar, ele nos sugere que Júpiter e Saturno podem sobreviver à fase gigante vermelha do Sol, quando ficar sem combustível nuclear e se autodestruir”, explicou.

A má notícia é que, como a Terra está mais próxima do Sol, não teríamos essa sorte e nosso planeta poderia muito bem ser engolido pela expansão da gigante vermelha. “Se a humanidade quisesse se mudar para uma lua de Júpiter ou Saturno antes de o Sol fritar a Terra durante a fase supergigante vermelha, ainda ficaríamos em órbita em torno dele, mas não poderíamos depender do calor dele enquanto anã branca por muito tempo”, observou David Bennett, outro co-autor do estudo.

Futuramente, os autores esperam incluir as descobertas que fizeram em um estudo estatístico, para descobrir quantas outras anãs brancas têm planetas sobreviventes as orbitando.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos