O que fazer com as crianças em casa durante a quarentena de acordo com a faixa etária

Karen Acioly*
1 / 2

INFOCHPDPICT000038268080

Teatro de sombras

Autora de livros e peças premiadas, Karen Acioly dá dicas para fazer com as crianças na quarentena de acordo com a faixa etária.

Canal Bebelume + de 18 meses

Recomendo o novo canal para bebês Bebelume, que é de vídeos poéticos e foi criado com a expertise de Clarice Cardell (do Festival Primeiro Olhar) e Leonardo Hernandes, para a primeira infância: bebelume.com.br

Livros de imagens + de 1 ano

Desenhar e contar a história, só com as ilustrações, é muito prazeroso para a imaginação e a escuta das crianças que ainda não sabem falar. Escolha fotos, imagens de revistas, livros ilustrados sem texto ou invente seus próprios desenhos. E conte do seu jeito o que você tiver inventado. Uma ou outra repetição divertida pode ser também muito bem-vinda. Repita a brincadeira, os sons.

Descobrir a dança entre pais e filhos + de 1 ano

Coloque as músicas que você mais ama para tocar. Dance, mesmo se você estiver enferrujado, e chame seu filhote para dançar junto. Cantar junto também faz parte. Dica recomendada para todos os dias.

Descobrindo os sons + de 1 ano

Descubra uma caixa ou algo que dê para fechar e abrir e coloque tudo o que faz som dentro dela. Convide a criança a descobrir o que tem dentro. Cada vez que a criança retirar o objeto sonoro, os outros participantes poderão repetir o som, criando frases musicais. De preferência denominando, através do som, o objeto. Depois, repete-se a brincadeira até os sons se tornarem mais conhecidos da criança.

Tatuagens nos pais + de 2 anos

Quando uma folha de papel já não é mais suficiente, uma das boas coisas da vida é desenhar no próprio corpo. Tatuá-lo com canetas, cujas tintas saem no banho, é uma ótima opção.

Cabana e música + de 2 anos

Poltronas, lençóis, véus, travesseiros, cabos de vassoura... Pode-se adicionar mais tudo o que for preciso para este momento aconchegante. A cabana servirá para deitar bonecas e também para se deitar com os pais quando o sono não estiver chegando.

Teatro de objetos + de 4 anos

Descubra objetos da casa que podem virar personagens de uma história. Você pode associar os objetos aos personagens e contar a história com eles. Por exemplo, uma pulseira pode ser uma rainha, um anel, um rei, e por aí vai. Logo depois, deixe o seu filho inventar a história dele e contar com os objetos que ele escolher.

Teatro + de 4 anos

Inventa-se uma história — bom anotar para não esquecer. Escolhe-se o figurino, principalmente no armário dos pais e o lugar em que se passa a narrativa. Quando a história estiver pronta, será necessário ao menos um espectador.

Coleção de medos, teatro de sombras + de 5 anos

Antes de começar o teatro de sombras, é superlegal fazer uma lista de medos que podem estar presentes na brincadeira. Cada medo poderá ser representado na história com a sombra de um objeto ou das próprias mãos. Caberá à pessoa que estiver no comando (seja ela um adulto, seja uma criança) alinhavar a história criada por todos e estimular as mãos para descobrir novas formas animadas.

Teatro trilogia do amor + 6 anos

O teatro para crianças — e para toda a família — é presença certa neste fim de semana de tempos solidários. A “Trilogia do amor”, dirigida por Duda Maia e com produção de Bruno Mariozz, colocará à disposição do público de casa, gratuitamente, belas obras teatrais. Indico especialmente “A gaiola” (na foto acima), adaptação do livro de Adriana Falcão, com belíssimas músicas e atuações. Além dela, as crianças poderão conhecer também “Contos partidos de amor” e “Vamos comprar um poeta”. “A gaiola”: hoje, das 10h às 14h. “Contos partidos de amor”: amanhã, das 10h às 14h. “Vamos comprar um poeta”: domingo, das 10h às 14h. Os links serão liberados através do site www.palavraz.com.br, nas redes sociais da Palavra Z e dos respectivos espetáculos.

Árvore genealógica + de 7 anos

As crianças amam saber das histórias de seus antepassados. Então, cada foto que entrar na árvore, a ser desenhada coletivamente ou pelas crianças, deve ser acompanhada do que se sabe sobre aquele avô, avó, tio, tia, pai, mãe e filhos. O importante é que a história seja contada com muito afeto. O tamanho da árvore vai depender do número de envolvidos, assim como o tempo de criação. Material básico: fotos de verdade, lápis coloridos, papel branco e cola.

*Karen Acioly é autora de livros e peças premiadas