O que já foi possível ver de novo no Flamengo de Vitor Pereira

Com a mesma base da temporada passada, apenas com as entradas de Gerson e de Varela nos lugares de João Gomes e de Rodinei, o Flamengo titular estreou em 2023 esbanjando entrosamento e venceu a Portuguesa por 4 a 1, no Maracanã. Mas, no primeiro jogo sob o comando do português Vitor Pereira, as mudanças em relação ao último ano também chamam a atenção.

Vídeo: Torcedor do Tottenham chuta Ramsdale, goleiro do Arsenal, após derrota

De olho na Copa de 2030: Arábia Saudita segue os passos do Catar com projeto ambicioso

A principal contribuição do treinador na forma do time jogar se deu principalmente pelos lados. Bem abertos e adiantados, Ayrton Lucas e Varela concentraram as investidas nas laterais, deixando o quarteto ofensivo concentrado no meio — mas com liberdade para se mover.

Cena tão comum em 2022, Gabigol não foi visto abrindo pela direita. Assim como Everton Ribeiro, que muitas vezes tabelou com Rodinei por aquele lado.

Até pela quantidade de homens na frente, não foi preciso que Gerson aparecesse por lá. Embora seja conhecido pela qualidade na forma como se aproxima da área e oferece bons passes, o “coringa” atuou mais no início da construção em seu primeiro jogo no retorno ao clube.

Sem a bola, o Flamengo apresentação uma marcação um pouco mais agressiva do que o habitual. Embora a equipe já adiantasse suas linhas, o português quer uma intensidade maior.

— É ir passando as ideias e construindo uma identidade respeitando as qualidades dos jogadores. Eu gosto de um jogo dominador e mais agressivo na transição defensiva e é outro aspecto que temos que melhorar. No momento de perda de bola temos que ser mais agressivos — analisou Vitor Pereira, que também espera por um aperfeiçoamento maior das ideias na frente:

— Precisamos acelerar o jogo no momento certo e depois ter a nossa pressão mais organizada e coordenada. Houve momentos em que partimos. Também nos tornamos perigosos porque os jogadores da frente conseguem decidir o jogo a qualquer momento. Mas vamos evoluir nesse sentido, e temos que evoluir.