O que mais preocupa a campanha de Bolsonaro após Datafolha

O maior banho de água fria na campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, foi o empate técnico entre Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB) na disputa pelo governo de São Paulo

Segundo pesquisa Datafolha divulgada na quinta-feira (15), o candidato de Bolsonaro no estado tem 22% de intenção de voto e o atual governador, 19%.

Isso teve impacto negativo para a campanha do presidente porque há o risco dele ficar sem palanque em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, em um eventual segundo turno.

Para a coluna da jornalista Bela Megale, do jornal O Globo, integrantes da equipe do mandatário afirmaram que a expectativa era de que o ex-ministro da Infraestrutura se consolidasse na pesquisa como o adversário que iria enfrentar o segundo turno com o petista Fernando Haddad.

De acordo com o levantamento publicado ontem, Haddad segue na liderança com 36%. Garcia tinha 15% na pesquisa anterior e foi a 19%, e Tarcísio variou dentro da margem de erro, de 21% para 22%.

Além disso, informou a jornalista Bela Megale, outro receio da campanha de Bolsonaro é de que o eleitor paulista ache que Rodrigo Garcia teria mais chances de derrotar Haddad e, assim, preferir o voto útil no candidato do PSDB.

Segundo a pesquisa Datafolha, porém, Haddad vence tanto Garcia quanto Tarcísio em um eventual segundo turno.