O que são aforismos e como sobreviveram em nossa era de cinismo

·5 min de leitura
Mulher tampando a boca com a mão escrito "palavra", em espanhol
"Um aforismo é um romance em uma linha" - Leonid Sukhorukov, escritor ucraniano

Você provavelmente já disse e com certeza já ouviu ou leu: aforismos são textos curtos que parecem resumir a verdade, como joias de sabedoria perfeita. São concisos, profundos e didáticos.

Foi Hipócrates, 400 anos antes de Cristo, que usou essa palavra que herdamos do grego e significava "definição". Chamado por muitos de "o pai da medicina", ele usava os aforismos para resumir as regras estabelecidas para a prática médica.

Para Hipócrates, por exemplo, "a vida é curta e a arte é longa. A oportunidade é fugaz, a experiência é enganosa e o julgamento é difícil."

Atualmente, os aforismos são menos práticos. A palavra agora indica um lampejo de sabedoria geral, brevemente resumido com estilo. Alguns exemplos são "o que não me mata me fortalece", de Friedrich Nietzsche, e "a dúvida é um dos nomes da inteligência", de Jorge Luis Borges.

Adágios, provérbios, epigramas e máximas fazem parte dessa mesma família levemente autoritária, da mesma forma que os slogans e jingles. Mas, neste clima cínico de 2022, quando ninguém parece ter o monopólio da verdade e as vozes dos especialistas só despertam dúvida e discórdia, será que essas pílulas de certeza perderam a validade?

Curiosamente, parece que não. Cada vez são publicados mais livros de aforismos e essa forma de escrita floresce nas redes sociais. Será porque os aforismos são uma forma literária muito mais humilde e complexa do que parecem?

Ideias cristalizadas

Os aforismos são tão curtos e enfáticos que parecem indiscutíveis, como uma porção de sabedoria destilada. São a última palavra sobre algum assunto, polido e perfeito - o ápice da comunicação.

Franz Kafka
Os "Aforismos de Zürau" são 109 aforismos de Franz Kafka, escritos em 1917-1918 na Boêmia Ocidental (hoje, parte da República Checa), onde ele permaneceu com sua irmã Ottla enquanto lutava contra a tuberculose

Neste sentido, poderia parecer que os aforismos têm um tom arrogante. Mas muitos foram criados com base na vulnerabilidade, na dor ou em alguma perda - e até mesmo na enfermidade.

Diversos autores escreveram essencialmente seus aforismos no seu leito de hospital, como o matemático, escritor e filósofo Blaise Pascal, que disse: "o coração tem razões que a própria razão desconhece".

O escritor Franz Kafka criou aforismos enquanto tentava recuperar-se da tuberculose. Ele se proibiu de dedicar-se a um trabalho mais longo e intenso, mas teve energia suficiente para escrever aforismos como "a partir de certo ponto, não há retorno. Esse é o ponto que deve ser alcançado."

Por isso, o aforismo tem sido uma forma de cristalizar ideias quando os pensadores sentiam que sua saúde começava a falhar ou quando receavam não ter mais tempo ou energia suficiente.

Dor divertida

Para outros escritores, o aforismo oferece um pouco de cor - um pequeno toque de um talentoso poder para vozes que, de outra forma, estariam à margem da sociedade, como as vozes das mulheres e dos homossexuais.

"A única coisa capaz de consolar alguém por ser pobre é a extravagância. A única coisa capaz de consolar alguém por ser rico é a economia." Este é um exemplo dos muitos aforismos brilhantes escritos pelo poeta, escritor e dramaturgo Oscar Wilde, que pertencia à comunidade gay quando ela ainda era condenada - uma comunidade que foi associada por muito tempo ao talento com os aforismos.

A lista é grande e inclui luminares como o ator, dramaturgo e compositor Noël Coward ("a melhor parte de convidar alguém para ficar em casa é quando a pessoa vai embora") e a romancista Gertrude Stein ("é preciso muito tempo para ser um gênio, você tem que ficar sentado por muito tempo sem fazer nada").

Lousa com alforismo de Oscar Wilde
"Uns causam felicidade por onde vão, outros sempre que vão", Oscar Wilde

Para o escritor Quentin Crisp, o motivo da atração dos escritores da comunidade LGBTQ+ por essa forma de expressão é a sua sobriedade.

"A maioria das pessoas é profundamente indiferente à dor e ao sofrimento dos demais", segundo ele. "A única justificativa para introduzir esses temas em uma conversa é com fins de entretenimento. Você deve deixar claro desde o princípio que a sua história é oferecida para diversão das pessoas e não para empatia. E, mesmo assim, a sua história deve ser condensada em uma única anedota ou epigrama."

Segundo o poeta norte-americano W. H. Auden, "um sofrimento ou debilidade que não pode ser expresso por um aforismo não deve sequer ser mencionado".

Em poucas palavras

Os aforismos permitem expressar sentimentos dolorosos com segurança, sem que você seja ignorado ou que digam para você parar de reclamar. Eles serviram para pessoas com experiências, opiniões ou conhecimentos que historicamente não foram reconhecidos ou aprovados totalmente pela sociedade em geral.

E isso hoje em dia é ainda mais certo. As redes sociais como o Twitter amplificaram as vozes dos marginalizados, pessoas trans, jovens, trabalhadoras sexuais, pessoas com autismo e doentes crônicos.

As pessoas que se sentem oprimidas podem hoje contra-atacar sem interrupções. Mas aqueles que o fazem com o talento e a elegância do aforismo conseguem ver suas palavras ressoarem dramaticamente no silêncio criado por essa surpreendente forma de expressão.

E, para encerrar, nada melhor que um aforismo: "Tudo já foi dito uma vez. Mas, como ninguém escuta, é preciso dizer de novo" (André Gide, escritor francês).

*Esta reportagem da BBC News Mundo (o serviço em espanhol da BBC) é uma adaptação do documentário da Rádio 3 da BBC intitulado "The Aphorism Now - Failing with Style" ("O aforismo atual - fracassando com estilo", em tradução livre). Ouça aqui o documentário em forma de podcast (em inglês) no site BBC Sounds.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos