O que se sabe sobre o desaparecimento de indigenista e jornalista inglês na Amazônia

O indigenista Bruno Araújo Pereira, da Fundação Nacional do Índio (Funai), e o jornalista inglês Dom Phillips, colaborador do jornal The Guardian, desapareceram no Vale do Javari, na Amazônia, quando faziam o trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael até a cidade de Atalaia do Norte. Bruno vinha sendo alvo de ameaças por defender comunidades indígenas contra a ação de garimpeiros, pescadores e madeireiros. A região sofria com a invasão de garimpeiros desde o início deste ano.

Ao vivo: Servidor da Funai e jornalista desaparecidos na Amazônia

'Nos recusamos a perder a esperança': Correspondentes amigos de Dom Phillips fazem apelo em carta

Bolsonaro critica 'aventura' de desaparecidos na Amazônia: 'Não é recomendável que se faça'

Sexta, 3 de junho

Os dois chegaram ao Lago do Jaburu, às 19h25, para visitar a equipe de vigilância indígena próxima à localidade, que fica perto de uma base da Funai no rio Ituí. No local, Phillips fez entrevistas com indígenas.

Domingo pela manhã, 5 de junho

Logo cedo os dois foram em direção para a comunidade São Rafael, para uma visita previamente agendada, para que o indigenista Bruno Pereira fizesse uma reunião com o comunitário apelidado de “Churrasco”. O objetivo do encontro era consolidar trabalhos conjuntos entre ribeirinhos e indígenas na vigilância do território, bastante afetado pelas intensas invasões.

Trabalho: Jornalista desaparecido fazia viagem para o seu livro 'Como salvar a Amazônia?'

No entanto, “Churrasco” não estava na comunidade, e eles conversaram apenas com a mulher do líder comunitário. Em seguida, partiram para Atalaia do Norte, em uma viagem que deveria demorar cerca de duas horas. Os dois desaparecidos viajavam com uma embarcação nova, com motor de 40 HP e 70 litros de gasolina, o suficiente para a viagem, e sete tambores vazios de combustível.

Domingo de tarde, 5 de junho

Sem a chegada da dupla, uma equipe de buscas, com indígenas que conhecem bem a região, saiu às 14h de Atalaia do Norte para procurá-los, mas sem sucesso. Duas horas depois, outra equipe partiu de Tabatinga, mas também não encontrou vestígios dos dois.

Veja: Bilhete com ameaça a indigenista da Funai partiu de pescadores invasores

Segunda, 6 de junho

Três servidores da Funai e dois agentes da Força Nacional de Segurança Nacional fizeram novas buscas a partir da base de vigilância da Funai no rio Ituí. A equipe não achou pistas e o trabalho foi retomado hoje.

O Vale do Javari

Na fronteira com o Peru, no Oeste do Amazonas, o Vale do Javari teve seu processo de demarcação finalizado no governo Fernando Henrique Cardoso, em 2001, e tem uma área equivalente a quase dois estados do Rio de Janeiro (85,4 mil km²). É considerado a segunda maior demarcação depois da Terra Ianomâmi (96, 6 mil km²), homologada em 1992 no governo Fernando Collor.

Buscas: MPF aciona Polícia Federal e Marinha por buscas a jornalista inglês e indigenista na Amazônia

Quem são

Bruno Pereira é considerado um dos indigenistas mais experientes da Funai e é profundo conhecedor da região, onde foi Coordenador Regional da Funai de Atalaia do Norte por cinco anos. Foi também por quase três anos coordenador-geral de Índios Isolados e Recém-contatados da Funai.

Dom Phillips é um jornalista freelancer britânico que se mudou para o Brasil em 2007, com passagens por São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador. Além do The Guardian, Phillips já colaborou para o Financial Times, New York Times, Washington Post, Bloomberg, Daily Beast, revista de futebol Four Four Two e o jornal de energia Platts, entre outros. Phillips é atualmente bolsista da Alicia Patterson Foundation e 2021 Cissy Patterson Environmental Fellow.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos