O que se sabe sobre as ações da PRF neste domingo de eleições

O domingo de votação no segundo turno das eleições foi marcado por relatos de operações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que realizou blitzes em vários estados do país, mas concentrados na região Nordeste. Dados internos da corporação obtidos pelo GLOBO apontam que até as 15h deste domingo foram realizadas 560 operações de abordagens a ônibus com passageiros.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, disse que a Corte vai apurar se houve desvio de finalidade ou abuso de poder nas ações realizadas pela corporação, mas que nenhum eleitor foi impedido de votar e por isso não foi necessário ampliar o horário da votação.

No sábado, Moraes proibiu operações da PRF relacionadas ao transporte de eleitores neste domingo, "sob pena de responsabilização criminal do Diretor Geral da PRF, por desobediência e crime eleitoral". Ele ainda determinou multa de R$ 150 mil por hora de descumprimento.

Essa determinação de Moraes atendia a um pedido do deputado reeleito Paulo Teixeira (PT-SP), que denunciou à Corte um suposto uso eleitoral da PF e da PRF em benefício da candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Uma das preocupações da campanha petista neste segundo turno é a abstenção de eleitores, que costuma ser maior nos segmentos da população em que Lula tem mais votos, como entre quem tem menor renda. Para isso, o partido incentivou que prefeituras aliadas oferececem transporte público gratuito neste domingo.

Apesar da decisão de Moraes, foram diversos relatos de operações da PRF nos estados. Charles Cristiano Inácio da Silva (Cidadania), prefeito de Cuité, no interior da Paraíba, publicou um vídeo mostrando agentes da PRF em ação na entrada da cidade localizada a 200 quilômetros de João Pessoa. Estas imagens fizeram com que Alexandre de Moraes determinasse que o diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, prestasse informações sobre essas ações.

O relato do prefeito é de que os moradores da zona rural da cidade se sentiram intimidados para votar. Prefeitos e eleitores de cidades do Nordeste fizeram relatos de operações semelhantes, com blitzes da PRF na região.

No Rio de Janeiro, também houve relatos da presença de viatura da corporação na ponte Rio-Niterói. Dois caminhões do Exército e uma viatura da PRF monitoravam a via, que tinha fluxo intenso de veículos. De acordo com a PRF, a ação era somente para verificação do fluxo de veículos e os carros não foram parados.

A campanha do PT acionou o TSE pedindo a extensão do horário de votação da eleição deste domingo até as 19h, conforme msotrou a colunista do Globo, Bela Megale. Essa decisão acabou não sendo atendida pelo TSE.

O presidente do TSE, Alexandre de Moraes, afirmou que as operações apenas retardaram a chegada dos eleitores aos locais de votação, mas não impediram ninguém de votar. Por isso, o ministro descartou a ampliação do horário de votação.