O que se sabe sobre casa de repouso interditada por maus tratos a idosos no RJ

Casa de repouso Laço de Ouro. (Foto: Reprodução/Google Street View)
Casa de repouso Laço de Ouro. (Foto: Reprodução/Google Street View)
  • Casa de repouso Laço de Ouro abrigava 29 idosos

  • Moradores sofriam torturas e eram deixados sem comer

  • 18 famílias já foram localizadas

No último domingo (7), a Polícia Civil interditou uma clínica de repouso em Guaratiba, na zona Oeste do Rio de Janeiro, onde 29 idosos sofriam maus-tratos e tortura, enquanto eram mantidos em cárcere privado. Os agentes prenderam duas pessoas.

A casa de repouso Laço de Ouro impedia que famílias visitassem os moradores. Na chegada dos agentes, três idosos precisaram ser encaminhados para um hospital.

O caso está a cargo da 35ª DP, em Campo Grande. Entenda o que já se sabe sobre o caso:

Como a polícia soube da situação na Laço de Ouro?

A denúncia sobre as condições em que os idosos eram mantidos na casa de repouso foi feita por um grupo de estagiários. Após verem as irregularidades no local, eles acionaram a polícia.

Segundo os estagiários, todos os moradores do local sofriam maus-tratos e eram mantidos em cárcere privado. Além disso, alguns chegavam a ser dopados com medicamento de uso controlado.

Quando a polícia chegou ao local, foram acionados outros órgãos para proteção das vítimas.

“Lá foi constatado que todos os idosos estavam sofrendo maus-tratos, sendo que um foi transferido para um hospital com urgência. Encontramos comidas estragadas e sinais de que alguns idosos foram vítimas de lesão corporal pelos responsáveis pelo local”, afirmou o delegado da 35ªDP, Túlio Pelosi, responsável pela investigação, ao portal Metrópoles.

Qual era a situação em que os idosos se encontravam?

O ambiente encontrado pelas autoridades no qual os idosos viviam era completamente inóspito. Na casa de repouso, agentes encontraram pessoas caídas no chão e constataram um forte cheiro de urina.

Além disso, quando os policiais chegaram, às 15h, muitos idosos afirmaram que ainda não haviam tomado café da manhã e que a comida do local era horrível. "É só carne, com repolho e abobrinha”, contou Madalena, uma das moradoras.

Além disso, visitas de familiares não eram permitidas. José Cruz Angelo, que estava internado desde abril de 2021, conta que não via a esposa desde então.

“Ele teve problema de saúde, ficou com depressão e os filhos trouxeram ele até aqui, falaram que era um lugar bom. Depois disso me proibiram de entrar, fiquei mais de um ano sem ver meu marido, nem no quintal eu podia pisar. Há muito tempo estou lutando, não consigo nem ver e nem tirar ele. Quero tirar meu marido daqui”, disse Maria do Carmo da Silva, que foi ao local junto com uma sobrinha.

A esposa já havia registrado uma ocorrência na 19ª DP e no último domingo tentava visitar o marido, quando encontrou a operação. Ela chorou junto com a sobrinha ao ver os policiais.

O que afirma a casa de repouso?

Operando desde 2014, a casa de repouso Laço de Ouro seria de responsabilidade de Vanessa da Silva Ferro, segundo a polícia, que foi presa em flagrante junto com outro funcionário, Manoel Alves Paulino.

Em seu depoimento, Vanessa negou as acusações, enquanto o homem não disse nada.

“Até o momento são dois presos, mas há outros envolvidos que podem sofrer representação de prisão”, disse o delegado.

O que acontece agora com os idosos?

A Secretaria Municipal de Assistência Social está atuando na localização das famílias dos idosos. Até o fim desta segunda-feira (8), 18 famílias haviam sido localizadas.

Outros cinco idosos que não tiveram as famílias localizadas foram encaminhados para abrigos da assistência social. Outros três ainda estão em processo de localização de familiares.