O que ser ativista pode causar na sua saúde física e mental

Jolie A. Doggett

Há cinco anos, no dia 9 de agosto de 2014, um policial branco chamado Darren Wilson matou a tiros um adolescente negro desarmado em Ferguson, no Missouri.

Os relatos sobre o que aconteceu com o jovem Michael Brown variam, mas as notícias do dia confirmam que Wilson disparou pelo menos seis tiros contra Brown, sendo que dois deles o acertaram na cabeça. O corpo ensanguentado do jovem ficou jogado na calçada de uma rua residencial por quatro horas, em plena luz do dia.

Seguiram-se semanas de manifestações, vigílias e protestos. Esses protestos acabaram virando revoltas, com os policiais militarizados de um lado e moradores negros indignados do outro.

Vimos então uma discussão sobre raça que se espalhou pelo mundo e desencadeou um movimento em favor das vidas negras, que continua até hoje.

Antonio French, 40 anos, ex-vereador e hoje empreendedor social, disse ao HuffPost: “Na época, eu era vereador eleito de St. Louis City. Meu gabinete ficava pertinho da rua onde Mike Brown foi morto. O corpo dele estava no chão quando cheguei, e eu fiquei lá em Ferguson por quase dois meses.”

“Eu não fazia ideia, nem ninguém fazia, que a coisa ia assumir as dimensões que assumiu ou durar tanto tempo. Nunca antes tínhamos visto aquele nível de força usada pela polícia.”

Os manifestantes em Ferguson sofreram altos níveis de violência por parte de policiais, incluindo gás lacrimogêneo.

Manifestações públicas pacíficas se tornaram violentas quando policiais invadiram a cidade usando uniformes camuflados, equipamentos anti-manifestações, coletes à prova de balas e máscaras de gás.

Eles estavam armados com veículos militares, fuzis, gás lacrimogêneo, balas de borracha, balas convencionais e granadas de dispersão.

Em questão de dias o governador do Missouri declarou estado de emergência, foi imposto um toque de recolher e a Guarda Nacional do Missouri foi deslocada para Ferguson.

Dezenas de manifestantes foram detidos e presos durante aqueles dias do final do verão.

Uma segunda onda de protestos e agitação começou em novembro naquele ano, depois de um grande...

Continue a ler no HuffPost