O que vocês não encontrarão nestes textos sobre animais

Por Beatriz Levischi (@gatoca_blog) - Eu cresci com bonecas, amadureci entre livros e, diferente dos meus irmãos, nunca quis ter um animal de estimação. Não gostava de bichos, na verdade. Até conhecer Mercvrivs, o frajolinha de borracha que ilustra este texto.

Depois dele, vieram outros nove gatos e se foram mais de 100 para suas casas novas, incluindo alguns cachorros (e uma pomba, tratada e devolvida ao bando).

As peripécias e aprendizados viraram posts no Gatoca, matérias para a grande imprensa, financiamento coletivo, mutirão de castração, e-book. E o convite do Yahoo! para escrever este blog.

É bom deixar claro que ele não incentivará a compra de animais, porque amigos se escolhem por afeto ― e milhões de cães e gatos sofrem nas mãos de criadores, como mostra este vídeo.

Vocês também não verão aqui selfies com bichos selvagens. O lugar deles é na natureza, com suas famílias, garras e dentes ― a campanha “No photos, please!” (“Sem fotos, por favor!”), da ONG Care for the Wild, explica. Muito menos haverá sugestões de passeios a circos, zoológicos e parques aquáticos. Meia hora de diversão para a gente significa uma vida inteira de tristeza do outro lado das jaulas e aquários ― emocionem-se com os cliques de Gaston Lacombe e assistam ao documentário “Blackfish”.

O que vocês encontrarão nos meus textos, então? Dicas para cuidar melhor dos peludos, histórias de transformação, estímulo para arregaçar as mangas por um mundo mais bacana a bípedes e quadrúpedes.

Fiquem à vontade para pedir temas nos comentários. :)

Imagem: Beatriz Levischi