O que você precisa saber para começar o domingo

Leo Correa/AP

Um tiro de fuzil disparado pela Polícia Militar do Rio, pelas costas, custou a vida e mais uma criança em favelas cariocas - desta vez, a pequena Ágatha Félix, de 8 anos; um bilionário nos EUA cumpre a promessa feita em maio e doa uma fortuna para quitar dívidas de estudantes de uma universidade de Atlanta; o ministro Sergio Moro nomeia para diretor da Funai um crítico de demarcações de terras indígenas que tem argumentos muito semelhantes aos de Bolsonaro.

Veja aqui o que você precisa saber para começar o domingo:

Ágatha, 8 anos, morre com tiro de fuzil da PM no Rio

Morreu na madrugada desse sábado (21), no Rio, a menina Ágatha Félix, de 8 anos. Ela não resistiu aos ferimentos após ser atingida nas costas por um tiro de fuzil na noite de sexta (20) na Fazendinha, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio. Segundo familiares, a menina estava dentro de uma Kombi quando foi baleada. Ela chegou a ser levada ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, onde morreu. O autor do disparo, de acordo com moradores do bairro, seriam policiais militares. A PM afirma que houve tiroteio por conta de um motociclista em atitude suspeita. O tio da menina negou que tenha havido tiroteio: "Isso aí que teve troca de tiros, que eles foram atacados, é tudo mentira", disse Elias Cesar, 36, no Instituto Médico Legal (IML). Moradores da Maré protestaram pelo fim da violência policial.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO FLIPBOARD

Bilionário quita dívidas de estudantes nos EUA

O bilionário americano Robert Smith cumpriu a promessa que havia feito em maio deste ano e pagou as dívidas estudantis de toda a turma de formandos de 2019 de uma universidade historicamente frequentada por alunos negros. Smith doou US$ 34 milhões (R$ 141 milhões) para a entidade; dinheiro ajudará mais de 400 jovens.

Petrobras cria grupo para coibir ladrões de combustível

Nos últimos cinco anos, a Petrobrás esteve no centro da maior investigação contra corrupção no país, com a operação Lava Jato, além de ter enfrentado uma recessão devastadora e preços instáveis ​​do petróleo. O desafio da vez da estatal brasileira é outro: o furto de milhões de reais em combustível por ladrões que o vendem no mercado negro. A Transpetro, subsidiária da estatal, criou internamente um programa para reunir informações sobre grupos criminosos e está gastando R$ 100 milhões por ano para financiá-lo.

Moro nomeia diretor na Funai crítico de demarcação de terras indígenas

O consultor legislativo Fernando Carlos Rocha foi nomeado nessa quinta-feira (19) pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, como novo diretor de Administração e Gestão da Fundação Nacional do Índio (Funai). Ele é autor de um estudo produzido em 2014 e no qual ser "evidente absurdo" atribuir à Funai a demarcação de terras indígenas. O estudo se chama "Amazônia – As batalhas perdidas de uma guerra invisível".

Coração de Bolsonaro “não é bom”, diz líder indígena Raoni

O líder indígena caiapó Raoni, que na próxima semana participará em Nova York de eventos paralelos à Assembleia Geral da ONU, disse que pretende um dia conversar com o presidente Jair Bolsonaro para pedir respeito aos indígenas. Para Raoni, Bolsonaro mostra que seu "coração não é bom" ao indicar que os índios devem viver como os não indígenas. O nome do caiapó foi lançado por um grupo de indigenistas, antropólogos e ambientalistas como candidato ao prêmio Nobel da Paz de 2020 e oficializado pela Fundação Darcy Ribeiro ao comitê norueguês da premiação.

Huck se prepara para eleição de 2022

O empresário e apresentador da TV Globo Luciano Huck, 48, que esteve perto de concorrer ao Planalto em 2018, intensificou sua movimentação política nos últimos meses, em sinal de que a candidatura é uma vontade mais viva do que nunca. Com a preparação, ele chegaria a 2022 com a ideia amadurecida, diferentemente do que ocorreu em 2018, quando acabou atropelado por acontecimentos e concluiu prescindir de uma estrutura sólida o suficiente para encarar uma batalha presidencial.