O súbito e assustador surgimento de gays de direita

Existem gays de direita desde sempre. E existem gays católicos, umbandistas e até socialistas - acredite, eu vi. É estranho que tão poucas pessoas percebam o interesse de gays por ideologias que tratem de liberdade e do indivíduo. Acho que o espanto vem da ignorância de que gays, como qualquer minoria, são livres para decidir o que quiserem da vida.


Nunca vi ninguém da direita defendendo gay

Sério mesmo? Se vamos falar disso, seria bom aproveitar o espaço para mencionar as várias correntes dentro da direita. Não dá para reduzir a direita a Mussolini. Seria como reduzir a esquerda a Stalin, Pol-Pot ou a um ripongo de centro acadêmico.

Nos EUA, os liberais, muito antes do Partido Democrata, defendiam o casamento gay, por exemplo. Em 1972, o Partido Libertário já falava abertamente disso. E tinha um programa político que tratava do tema. Foi só em 2008, mais de 30 anos depois, que um candidato democrata à presidência (Obama) fez um discurso a favor do casamento gay. Até então era um tabu. Antes disso, o próprio Obama se dizia contra o casamento gay. Joe Biden e Hillary Clinton também.


Mas o Partido Republicano é cheio de homofóbicos

No entanto, o Partido Libertário não foi apenas dos primeiros a apoiar gays como foi o pioneiro a lançar um candidato abertamente gay à presidência, John Hospers, na década de 70. Naquela época era a esquerda e o candidato democrata a vice que o chamava de “bichinha". Homofobia não escolhe partido. 


Liberais só se preocupam com economia

Vamos pular este estudo que mostra a relação positiva entre liberdade econômica e tolerância com homossexuais e fazer um exercício de imaginação. Responda com sinceridade: onde você imagina que homossexuais viveriam melhor? Canadá, Estados Unidos e Chile - maior liberdade econômica da América - ou Cuba e Venezuela - os países mais fechados? Suíça, Dinamarca e Irlanda - maior liberdade econômica da Europa - ou na Ucrânia e Bielorrússia - os países mais fechados? Em Israel ou no Irã? No Japão e em Hong Kong ou no Timor-Leste e Turcomenistão? Na capitalista Coreia do Sul ou na comunista Coreia do Norte?


Os gays devem muito aos movimentos sociais dos anos 60 e 70

Quanto à gratidão que gays deviam sentir em relação aos movimentos sociais, também poderiam sentir em relação a Hayek ou Milton Friedman, esses grandes direitecas neoliberais. Ou por que não voltar para o século XVIII e fazer uma pequena vênia para Adam Smith (Olá, Adam Smith!), que lá atrás falava de liberdade individual?

Em 1960, quando a prática de sodomia era proibida nos EUA, Hayek escreveu: “Where private practices cannot affect anybody but the voluntary adult actor, the mere deslike of what is being done by others, or even the knowledge that others harm themselves by what they do, provides no legitimate ground for coercion.” Esse, aliás, devia ser o mantra de qualquer liberal que se preza.

Enquanto Hayek promovia a liberdade em Constitution of Liberty, a esquerda estava deslumbrada com um certo revolucionário caribenho que perseguiu homossexuais e os enviou a campos de trabalho forçado. Agora – é claro que há maneiras muito direitistas de discriminar homossexuais. Mas não ocorre a ninguém que há maneiras verdadeiramente esquerdistas de discriminar homossexuais? O século XX tem uma penca de histórias como essa para contar.


A esquerda evoluiu enquanto a direita ficou no mesmo lugar

Mais um exercício de imaginação: Se você fosse homossexual, hoje, preferia viver num país governado pelo socialista Maduro ou pela democrata-cristã Angela Merkel. De novo, homofobia não escolhe partido.


Nem todo esquerdista é comunista, você sabe

Como nem toda direita é a tia-avó reumática que vira os olhos para as cenas de sexo da novela. Esses direitistas hipotéticos, com buço e um cachimbinho no canto da boca, não têm estilo mesmo. Mas o que me chama a atenção é o espanto com a simples existência de gays de direita. Pois acredite, eles existem.


Siga-me no Twitter: (@GuyFranco)

Foto/ Flickr: Niv Singer

viv