Cara mulher branca, o seu feminismo é antirracista?

Marcela e a questão do racismo (Foto: Reprodução/Instagram@marcelamcgowan)

“Ei, branco! Você é mesmo antirracista?”. A pergunta que viralizou na internet na última semana, acompanhada da premissa “o seu silêncio é racismo”, poderá também ser respondida pelo público do ‘BBB 20’ no paredão desta terça-feira (7). Isso porque, ao lado da cantora Flayslane e do ator Babu, está emparedada, pela primeira vez, a médica Marcela, autora de comentários racistas contra Babu e, inclusive, contra Thelminha.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

E nos siga no Google News: Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Nós precisamos falar sobre o plot twist que fez com que a favorita nas primeiras semana do reality, com um discurso feminista que promoveu a eliminação em sequência de todos os homens brancos da casa, perdesse o verniz de sensatez ao longo do programa e fosse ‘cancelada’ na internet ao demonstrar não ter consciência de classe e de raça.

Leia mais

Não adianta levantar bandeira de direitos iguais entre mulheres e homens com uma mão e usar a outra para esconder o riso ao debochar de homens e mulheres pretos ou de pessoas que vivem em situação de pobreza.

Mulheres brancas precisam entender que, ao mesmo tempo que são oprimidas pelo machismo, podem estar oprimindo em mesma ou maior proporção outros grupos sociais. Portanto, atenção: não é sobre vestir uma máscara de fada sensata e passar pano pra racista. 

Ao recomendar, nas redes sociais, o voto para a saída de Flayslane (e automaticamente absolver Marcela), Bruna Marquezine recebeu uma avalanche de críticas. Muitos apontaram contradições entre o post antirracista (o mesmo da campanha que citei no início do texto) que a atriz fez na última semana e a defesa de Marcela. 

A polêmica envolvendo a global das ações sociais e fotos com crianças africanas revela uma parcela de pessoas atentas à legitimidade do selo de ‘antirracismo’ que, de repente, virou cool. É preciso checar se o selo continua grudadinho no peito quando o racista é seu amigo ou quando o racismo atende à manutenção dos seus privilégios. Militantes seletivas passarão? Saberemos em poucas horas no paredão do BBB.